terça-feira, 29 de outubro de 2013

A peregrinação do Padre Paulo Ricardo na busca de Leis que realmente sejam a favor do povo.

'Blood Money -- Aborto Legalizado' faz uma investigação profunda sobre a realidade do aborto e sobre as origens sombrias de sua legalização nos Estados Unidos e Europa. O polêmico documentário mostra como uma ideologia baseada no racismo eno controle populacional se infiltrou nos movimentos de defesa dos direitos das mulheres para criar um negócio sujo e poderoso.

'Blood Money - Aborto Legalizado' estreia dia 15 de novembro nos cinemas.






Muitos acham que isso nunca ia acontecer, mas várias religiões estão se unindo para tentar alertar, e até parar, uma onda de Leis baseada em uma nova visão, onde o ser humano volta ao tempo das cavernas, e passa a viver na Lei do mais forte. É o eterno se dar bem, em detrimento de nossa civilidade.

Antes atribuída à famosa de Lei de Gerson dos tempos da ditadura militar, o se dar bem acima do Direito alheio, encontra respaldo para eternizar a esquerda no poder. Não importa as transformações que estas Leis vão causar a nossa sociedade, o mais importante é sempre parecer que tudo está sendo feito para o bem do povo, sem mencionar que na verdade a “família” base de toda nossa civilidade vai se desfazendo em um suposto beneficio para a modernidade do Estado.

Se o Estado tem de ser laico, não quer dizer que se devem desprezar os valores que trouxeram o homem de seus primórdios até os dias de hoje. E também não se trata do direito das minorias, ou que cada um deve fazer o que bem entender, tudo está sendo feito para se ter uma sociedade fria, sem laços afetivos, e que aceite que aquele que parece ser o mais forte imponha a sua vontade. Para à vitima nada, ao criminoso os Direitos humanos.
Os evangélicos contam em suas igrejas sobre os iluminatis, os católicos não acreditam em iluminatis, porém todas as religiões estão enxergando que independentemente de se existir ou não os iluminatis, as coisas estão acontecendo para o fim de nossos valores, e o controle de nossa sociedade por um pequeno grupo.

Encontro o Padre Paulo Ricardo em Brasília seu objetivo unir a todos para evitar o caos que várias Leis que aguardam votação possam causar se forem aprovadas. Sua luta começou em 1991, quando começou a peregrinar pelos corredores do congresso, e entre muitas vitórias, mas com algumas derrotas, hoje ele está concentrado em várias frentes, da PLC 03/2013 que entra em vigor a partir de 1º de novembro, passando pela errônea inclusão da palavra gênero em várias futuras Leis, indo até o novo Código Penal.

Todos falam em defesa da vida, uma união de católicos, evangélicos e espiritas se formou no Congresso, mas tudo estava acontecendo em total silêncio, só que as recentes manifestações de rua, trouxeram à tona a insatisfação do povo com os rumos que nossas Leis estão tomando, e este é o momento de se tornar público toda esta luta.

A diferença entre o modo de com que o povo vive, e como nossos parlamentares enxergam isso, fizeram com que muitos gritassem que “eles não nos representam mais” nas manifestações, e abrem um novo legue de possibilidades para as próximas eleições. É hora de mudanças de verdade, mas é preciso acima de tudo que estas Leis maldosas sejam excluídas para que com a renovação nos cargos públicos, os brasileiros voltem a ter a devida representatividade.

Por isso o Padre Paulo Ricardo foi, e vai a Brasília, para lutar por um País melhor, lutar pela vida, lutar pelo Direito de todos, e principalmente pelo Direito de sua família existir. Muitas Leis já foram barradas por causa de seu trabalho, no entanto no momento atual as forças ocultas conspiram pelo fim definitivo de nosso modo de viver.

Em sua peregrinação atual ele mostra os erros que serão causados pela equivocada inclusão da palavra gênero em nossas Leis, debatemos civilizadamente, com o Deputado Alessandro Molom sobre o marco regulatório da internet, que infelizmente vai ser votada esta semana, e ele tenta a todo custo fazer com que a PLC 03/2013 seja revogada para em seu lugar entre outra Lei que não só apoie a mulher estuprada, mas que ajude a coibir este tipo de crime, sem ferir om pleno Direito à vida.

O estupro, e outros crimes passam para segundo plano no novo código penal, que apesar de ainda nem ter sido votado e aprovado, já motivou um delegado a soltar um homem que abusava de dois menores de idade um de 10 e outro de 11 anos, pois o homem alegou que não era a primeira vez que ele e os menores faziam isso. Hoje mesmo com o consentimento, fazer sexo com menores até 14 anos é crime, com o novo código crianças de 13 anos podem se tornar profissionais de sexo com a devida carteira assinada. E se você precisar que seu filho trabalhe com menos de 16 anos ai você será um explorador de menor. Sem falar que o novo código pretende afrontar as pessoas que querem a redução da maioridade penal, aumentando esta maioridade para depois dos 21 anos.

A palavra gênero como definição de sexo, permite que alguém do sexo masculino, se declare feminino pelo modo de vestir, mesmo que seja pai, ou seja, a cada situação de vida a pessoa passa a ter o gênero que quiser.  Entro na famosa piada que diz que em certo Estado, depois do meio dia muitos mudam de sexo, ou seja, na hora de declarar seu gênero, masculino até o meio dia, depois......

Sério, piadas à parte, o País ainda tem tanta coisa para fazermos, e tem gente criando coisas para em nome da minoria, impor a maioria seus desejos e vontades.

O Padre foi esnobado por um Deputado, mas conquistou o apoio de quase todos, o que mais me chamou a atenção foi um encontro nos corredores do Congresso, onde o Padre foi abraçado por um Deputado de Minas Gerais que é Pastor da Igreja Quadrangular, que se solidarizou com a luta do Padre e colocou todo o seu rebanho à disposição para defender a vida, e a família.
Já a PLC03/2013 parece fácil ser revogada, todos querem menos o PT, que vem evitando o assunto. A PLC foi aprovada em uma quinta feira por voto de liderança, sem a participação da maioria, depois de sua aprovação muitos deputados declararam que foram enganados, mas foi neste momento se fortaleceu esta união religiosa em defesa da vida.

A Lei, segundo algumas pessoas, foi aprovada como condição para que Cuba assinasse o acordo com o Brasil para a vinda de médicos. Por isso tudo foi feito pelo PT, sem esclarecer os demais deputados da base aliada. Uma vez que o governo brasileiro garantiu que faria de tudo para impedir que ao final do contrato os médicos não pedissem asilo no País.

Eles vão trabalhar no Brasil como se vivessem em Cuba, vigiados e sem Direitos, e caso um deles fizer um filho em uma brasileira, ela vai poder ser convencida a alegar que a relação não foi consentida, e terá legalmente de abortar a criança. Nossa Lei atual dá Direito a todo estrangeiro que tiver um filho no Brasil a permanecer no País, lembram-se do famoso caso daquele Inglês que participou do assalto ao trem pagador, e ficou no País o tempo que quis.

O certo é que para dar um verdadeiro apoio a mulher estuprada, ela no hospital tivesse Direito de fazer ali o BO, o exame de Corpo de delito, e principalmente colhesse o material genético do criminoso para uma possível identificação, mas isso a Lei nada fala. E tem outro detalhe que são as promessas de campanha, durante a disputa eleitoral, a então candidata Dilma, ao ser acusada de que iria criar Leis que permitissem o aborto, declarou que nunca o faria. Como prometeu a PEC 300, clinicas por todo País, e não médicos cubanos. Por isso fica fácil, entender porque muitos acham que os políticos não nos representam mais. E com o governo marketing, dizendo que tudo vai bem, e a grande mídia se calando, as Leis estão ai, cada vez mais absurdas, contrariando os interesses do povo, para eternizá-los no poder.

No dia 1º de novembro o Brasil passa a integrar o roll dos Países que tem Leis abortivas. Mas a revogação da Lei ainda é possível, basta o povo querer.
A união entre religiões pela vida é um consenso, mudar o voto nas próximas eleições uma obrigação, viver em um País com democracia plena um sonho, é hora de todos lutarem por um País que respeite o pleno Direito à vida......
Carlos Senna Jr. JP 32447/RJ