quinta-feira, 12 de julho de 2012

MP apura irregularidades em ONGs REPASSES DA PREFEITURA de FORTALEZA



Peemedebista volta a denunciar a liberação de recursos do Município para entidades ligadas a vereadores da Capital

O deputado Carlomano Marques (PMDB), informou ontem, durante pronunciamento, na Assembleia Legislativa, que o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público (MP) está apurando possíveis irregularidades no repasse de recursos públicos para organizações não governamentais conveniadas com a Prefeitura de Fortaleza.

O parlamentar citou três instituições, mas de acordo com ele, no total, são 20 ONGs acusadas de indícios de irregularidades. O peemedebista citou o caso do Instituto Panamericano para o Desenvolvimento (IPD), que, de acordo com ele, pertenceria a família do vereador Casimiro Neto (PP).


Conforme Carlomano, o Instituto recebeu, entre os anos de 2010 e 2011, mais de R$ 2 milhões por meio de 32 convênios com a Prefeitura. O motivo do IPD ter tido direito a uma monta como essa, segundo alegou o deputado, foi para apoiar o candidato do PT à Prefeitura de Fortaleza, Elmano de Freitas.

Não é a primeira vez que Carlomano Marques leva à tribuna da Assembleia essa denúncia de "compra" do apoio do PTC à candidatura petista nas eleições municipais deste ano. No mês passado, também da tribuna da Assembleia, ele disse que para ter o apoio do PTC e ganhar algum tempo a mais na televisão e no rádio, o PT fez um acordo envolvendo a Prefeitura e a família do presidente estadual do partido, Stanley Leão, para o pagamento de um precatório no valor de R$ 3 milhões de reais em seis parcelas de R$ 500 mil.

Negócio

Na época, Stanley Leão e Casimiro Neto vieram à redação do Diário do Nordeste e negaram ter feito qualquer tipo de negócio com a Prefeitura. Casimiro Neto assegurou ter uma certidão da Procuradoria Geral do Município (PGM) mostrando que não há nada em nome da ex-vereadora Maria José, sua mãe.

Carlomano Marques citou também a Federação Cearense de Basquetebol. De acordo com o parlamentar, a Federação teria recebido R$1,27 milhão através de convênio com a Prefeitura. Ele cobrou uma explicação do ex-secretário da Pasta de Esporte e Lazer do Município, Evaldo Lima (PCdoB). "O ex-secretário de esporte, Evaldo Lima, de uma lapada só transferiu para a Liga Cearense de Basquetebol R$ 1,2 milhão", enfatizou o deputado no seu pronunciamento.

A denúncia também já havia sido citada na tribuna do Legislativo cearense. O deputado Fernando Hugo (PSDB), na época, alegou que ligas de esporte amador estariam recebendo dinheiro da Prefeitura de Fortaleza, sem realizar eventos de lazer e campeonato como haviam combinado e quem teria recebido um maior montante foi a Liga Cearense de Basquetebol.

O tucano chegou a prometer acionar a Procuradoria dos Crimes contra a Administração Pública (Procap) para que fosse feita uma investigação dos repasses feitos pela Secretaria de Esporte e Lazer de Fortaleza (Secel) às ligas de esporte amador.

Outra instituição citada no pronunciamento de Carlomano Marques foi o Instituto Bairro em Ação que, segundo o peemedebista, "conta com total apoio da Prefeitura". O deputado alega que esse Instituto tem "várias ramificações", mas só vai discutir com mais profundidade esse caso quando as provas estiverem definidas.

Fundamento

O deputado Antônio Carlos (PT), acredita que as denúncias levadas por Carlomano Marques ao plenário da Assembleia, são provocadas pelo período eleitoral e que não há fundamento ou consistência no que foi dito pelo peemedebista.

Segundo Antônio Carlos, Carlomano Marques já vinha se manifestando contrário em relação à gestão do PT na Capital e, logo que foram definidas as candidaturas, observou o petista, tornou corriqueiro o peemedebista levar as mesmas críticas sobre a Prefeitura de Fortaleza. Para o parlamentar, não passa de assunto requentado.

PCdoB

O deputado Lula Morais (PCdoB) não defendeu o seu correligionário, ex-secretário municipal, das acusações de Carlomano Marques. O deputado, em seu pronunciamento de ontem, fez questão de explicar o porquê de o PCdoB ter decido pela candidatura própria no município de Fortaleza, não se coligando aos mesmos partidos que fazem parte da aliança em âmbito estadual e federal. O parlamentar pontua que sua legenda busca se fortificar politicamente, mas que continua apoiando o projeto da presidente Dilma Rousseff.

"A base de apoiamento da presidente Dilma nos estados como no caso Ceará e Pernambuco, se dividiu. Por que se deu a candidatura do PCdoB? Por que se deu a candidatura do PT e do PSB?". Segundo o parlamentar, essas são perguntas que constantemente os eleitores vem fazendo.




Lugar de politico ladrão é na prisão.