sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Rede de Escandalos no Governo Dilma,Lula, FH e outros

2012

Operação Porto Seguro Novembro de 2012

Escândalo 
Deflagrada em 23 de novembro de 2012, a Operação Porto Seguro da Polícia Federal desarticulou uma quadrilha infiltrada em órgãos federais para obter pareceres técnicos fraudulentos em benefício de empresários trambiqueiros. O grupo era comandado pelos irmãos petistas Paulo e Rubens Vieira, instalados em cargos de direção de agências reguladoras. 
Saiba mais
Frases 
  • Quem segura a Anac nesse período, acredite, é o Waldin Rosa de Lima, um tucano. Ele foi o consultor financeiro da campanha do Geraldo Alckmin, atuando dentro da Nossa Caixa, onde tinha cargo de diretorRubens Vieira, em e-mail enviado a Rose para justificar sua nomeação à Anac
  • Graças a Deus saiu o que eu esperava. Preciso do diploma urgente. Para adiantar, tenho que colocar no currículo a formação. Qual é o nome?Rose, em e-mail enviado a Paulo Vieira para tratar de um diploma falso para o ex-marido, que só assim poderia assumir uma vaga na seguradora do Banco do Brasil.
  • Desculpe só responder agora. É que fiquei muito gripado e o pessoal do MEC tá (sic) dando muito trabalho. Quanto ao JCN, não se preocupe. Essa questão está resolvida. Os documentos devem chegar a qualquer momentoPaulo, respondendo a Rose sobre a questão do diploma.
  • Ele escreveu que o processo era de interesse de José Dirceu, escreveu 300 000 reais e passou para mimCyonil Borges, delator do esquema, sobre oferta de propina feita por Paulo Vieira
  • Eu já falei para ele. Ele tem de parar de se expor em público enquanto aquela perna dele não ficar boa (...) Ele levou um tombo no domingo dentro de casa...Ele tá parecendo um velho caquéticoRose, em conversa com Paulo Vieira sobre a saúde de Lula, que se recuperava do tratamento contra um câncer na laringe
  • Eu me senti apunhalado pelas costas. Tenho muito orgulho do escritório da Presidência, onde eram feitos encontros com empresários para projetos de interesse do paísLula, ao negar que conhecia as atividades de Rose
  • Mandei uma notícia de ultima hora sobre a alta do PR (presidente da República) e vc nao falou nada... Tenho falado com ele todos os dias, agora ele já está voltando a política e logo vou resolver se fico no GabineteE-mail de Rose a Paulo Vieira. Na ocasião, recuperado de um câncer na laringe, Lula divulgou um vídeo em que dizia "voltar à vida política"
Personagens 
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Acervo digital
EDIÇÃO 2298 - 05/12/2012Uma mulher que sabe demais
Quem é e como agia a ex-secretária Rosemary Noronha, cuja intimidade com o ex-presidente Lula lhe rendeu prestígio e um cargo central no governo, que ela usava para bisbilhotar o poder, fazer nomeações e ajudar uma quadrilha especializada em vender pareceres falsos a empresários trambiqueiros. Lula, como sempre, não sabe de nada
Outras edições

Escândalo na Pesca Março de 2012

Escândalo 
Em março de 2012, reportagem do jornal O Estado de S.Paulo revelou que o Ministério da Pesca torrou R$ 31,1 milhões na aquisição de 28 lanchas-patrulha com as quais não têm o que fazer: a pasta não tem competência para fazer patrulha, nem lugar para guardar as lanchas. A compra foi acertada na gestão de Altemir Gregolin, do PT catarinense, em 2009. Quem ganhou o negócio foi uma empresa de Santa Catarina, a Intech Boating, de propriedade de um ex-militante do PT. Feita a encomenda, a empresa foi procurada por um emissário da Pesca atrás de doações para a campanha de 2010. Cedeu 150 mil reais. O dinheiro entrou para o caixa do PT catarinense, que bancou a maior parte da campanha de Ideli Salvatti ao governo do estado. Ideli perdeu disputa e acabou escalada por Dilma para suceder Gregolin no ministério da Pesca, quando então quitou parte da dívida com a Intech: 5,2 milhões de reais.
Saiba mais
Frases 
  • Eu diria, como a nossa presidente Dilma Rousseff, que o que aconteceu no Ministério da Pesca é um malfeitoLuiz Sérgio (PT-RJ), que assumiu o ministério da Pesca no lugar de Ideli Salvatti
  • A baixa utilização das lanchas revela a antieconomicidade das aquisições e comprova que os gestores do ministério falharam gravementeRelatório do TCU, sobre a compra de 28 lanchas pelo Ministério da Pesca
  • Meu amor, não posso dizer se foi um equívoco ou não. Quando cheguei ao ministério, tomei todas as providências para que as lanchas fossem utilizadas, entregues, repassadas. Não posso me responsabilizarIdeli Salvatti, ministra das Relações Institucionais, ao ser questionada por jornalistas sobre a compra de 28 lanchas pelo Ministério da Pesca
  • Lanchas! Sugiro vê-los velozmente descendo cataratas, cachoeirasDa ex-senadora e ex-petista Heloísa Helena (PSOL-AL), no Twitter
Personagens 
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Acervo digital
EDIÇÃO 2263 - 04/04/2012Inúteis e suspeitas
Outras edições

Caso Cachoeira Fevereiro de 2012

Escândalo 
Em fevereiro de 2012, a operação Monte Carlo, da Polícia Federal, revelou as íntimas relações do bicheiro Carlos Cachoeira com influentes políticos do Centro-Oeste, tanto da oposição como da base aliada. O senador goiano Demóstenes Torres (ex-DEM), figura de proa da oposição, foi o primeiro atingido. Uma série de gravações apontou que um dos mais combativos políticos do Congresso usava sua influência e credibilidade para defender os negócios de Cachoeira em troca de ricos presentes. Também se complicaram parlamentares de pelo menos seis siglas (PT, PSDB, PP, PTB, PPS e PCdoB), três governadores (o petista Agnelo Queiroz, do Distrito Federal, o tucano Marconi Perillo, de Goiás, e o peemedebista Sérgio Cabral, do Rio) e a Delta, de Fernando Cavendish, empreiteira com maior número de obras no PAC.  As revelações levaram à abertura de diversos inquéritos no STF, STJ e na Justiça Federal de Goiás e à criação de uma CPI no Congresso, presidida por Vital do Rêgo (PMDB-PB) e relatada por Odair Cunha (PT-MG). Durante o período de campanhas das eleições municipais de 2012, a CPI foi paralisada por dois meses, com retorno após o pleito. A desculpa usada foi de que os trabalhos poderiam ser atrapalhados pela disputa eleitoral. No entanto, a pausa acabou enfraquecendo a Comissão, que perdeu sua força política e, agora, agoniza.  A comissão deve ser encerrada sem antes, por exemplo, analisar os tentáculos da construtora Delta pelo país.  
Saiba mais
Frases 
  • Os dois vêm cá para amarrar os bigodes comigoCláudio Abreu, ex-diretor regional da Delta, em conversa com Carlinhos Cachoeira, sobre os dois mais poderosos colaboradores do governo petista Agnelo Queiroz, do Distrito Federal
  • Marca uma p... com eles amanhã aqui em Goiânia. Aí eu chamo as meninasCarlinhos Cachoeira, em resposta a Abreu
  • Fala, professor!Demóstenes Torres, senador (ex-DEM-GO), em conversa com Carlinhos Cachoeira
  • Excelente, doutor. Obrigado!Carlinhos Cachoeira, em diálogo com Demóstenes
  • É meu amigo. É uma figura conhecida em Goiás, simpática com todo mundo, é um empresário daquiDo senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), sobre Carlinhos Cachoeira
  • Se eu botar 30 milhões na mão de políticos, sou convidado para coisas para 'c...'. Pode ter certeza disso!Fernando Cavendish, presidente da Delta Construções
  • A oposição já é limitada, e esse episódio cria constrangimento e cala uma das vozes fortes da oposição.Do líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias, sobre o envolvimento do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) com Carlinhos Cachoeira
  • O Policarpo nunca vai ser nosso...Carlinhos Cachoeira, sobre o diretor da sucursal de VEJA em Brasília, Policarpo Junior, em conversa com o araponga Jairo Martins
  • Dá o dinheiro para o cara, meu irmão!Idalberto Matias, o Dadá, em conversa com Cláudio Abreu, ex-diretor da Delta, sobre o pagamento de propina para garantir a indicação de um aliado no governo do Distrito Federal
  • Bicho, é o seguinte: a gente tem que molhar a mão de alguém lá, entendeu? Os caras não fazem no amor, tem que dar um café pros caras.Idalberto Matias, o Dadá, sargento da Aeronáutica, combinando com Carlinhos Cachoeira o suborno a um funcionário de uma operadora de telefonia celular, de modo a garantir grampos ilegais
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Personagens 
2011

Escândalo no Trabalho Novembro de 2011

Escândalo 
Reportagem de VEJA publicada em novembro de 2011 trouxe à tona o primeiro de uma série de escândalos que culminariam na queda do então ministro do Trabalho, Carlos Lupi: caciques do PDT comandados por Lupi transformaram os órgãos de controle da pasta em instrumento de extorsão. O grupo agia em duas frentes. Numa delas, extorquia ONGs às voltas com irregularidades na execução dos contratos e que, por isso mesmo, ficavam sem receber dinheiro da União. Na outra, fazia vista grossa a malfeitorias cometidas por ONGs amigas.
Saiba mais
Frases 
  • Por ele, ponho os pés e as mãos no fogo. Nós nos conhecemos há 25 anos. Sou seu padrinho de casamento.Ministro Carlos Lupi, ao defender, no início do mês, seu ex-assessor e também tesoureiro do PDT Marcelo Panella, acusado de cobrar propina de ONGs e também de sindicatos
  • Aquilo é uma bagunça, tem uma série de problemas. Se o ministro tivesse um mínimo de instrução e qualificação, não passaríamos isso que estamos passando no ministério.Adair Meira, da ONG Pró-Cerrado, avaliando o desempenho do ministro do Trabalho.
  • Eu não tenho relação nenhuma, absolutamente nenhuma, com o - como é o nome? - seu Adair (Meira)Carlos Lupi, mentindo sobre sua relação com o dirigente de ONG
  • Eu só quero saber do que sou acusadoMinistro Carlos Lupi, em depoimento ao Congresso
  • Eu disse que não tenho nenhuma relação [com Adair Meira]. Não disse que não o conheçoLupi, mudando o discurso após ser pego na mentira
  • Dilma, eu te amoCarlos Lupi, numa tentativa de desculpar-se com a presidente
  • Não sou uma românticaResposta da presidente Dilma Rousseff às declarações de Lupi
Personagens 
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Acervo digital
EDIÇÃO 2243 - 16/11/2011Em viagem oficial ao Maranhão, Carlos Lupi usou avião alugado por um dos principais acusados
Em viagem oficial ao Maranhão, Carlos Lupi usou avião alugado por um dos principais acusados de desviar dinheiro de convênios com o ministério. E o acusado estava entre os passageiros
Outras edições

Escândalo no Esporte Outubro de 2011

Escândalo 
Em outubro de 2011, reportagem de VEJA revelou a existência de um esquema organizado pelo PCdoB no Ministério do Esporte para desviar dinheiro público usando ONGs amigas como fachada. Então titular da pasta, Orlando Silva foi apontado como mentor e beneficiário dessa engrenagem.
Saiba mais
Frases 
  • Por um dos operadores do esquema, eu soube na ocasião que o ministro recebia o dinheiro na garagemJoão Dias, sobre a participação de Orlando Silva no esquema
  • Estou estupefato, perplexo. Um bandido fala, e eu que tenho que provar que não fiz, meu Deus?Orlando Silva, em entrevista a VEJA
  • Reconhecemos a queda. Mas preparem-se. Vamos levantar muita poeira...Protógenes Queiroz, deputado do PCdoB, após a queda de Orlando Silva
Personagens 
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Acervo digital
EDIÇÃO 2240 - 26/10/2011Assessores de Orlando Silva ajudaram o policial João Dias a se livrar de punição
Ameaçados, assessores de Orlando Silva ajudaram o policial João Dias a se livrar de punição, inclusive orientando-o sobre como deveria enganar a fiscalização do próprio ministério
Outras edições

Escândalo em Cidades Agosto de 2011

Escândalo 
Depois dos escândalos que derrubaram os ministros dos Transportes e da Agricultura, o radar do Palácio do Planalto apontou em agosto de 2011 para o gabinete do ministro Mário Negromonte (PP), das Cidades. Reportagem de VEJA revelou que um grupo de parlamentares do próprio PP procurou a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, para acusar Negromonte de transformar o ministério num apêndice partidário.
Saiba mais
Frases 
  • Fui vítima de uma campanha que se pretendeu difamante e que o tempo vem provando infundadaMário Negromonte, ao renunciar
  • Vai terminar em sangueMário Negromonte, ministro das Cidades, referindo-se à denúncia de que criou um mensalinho no PP em troca de apoio para permanecer na paasdasda
Personagens 
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Acervo digital
EDIÇÃO 2231 - 24/08/2011Mesada de 30.000
Outras edições

Escândalo no Turismo Agosto de 2011

Escândalo 
Em agosto de 2011, a Operação Voucher, da Polícia Federal, desmontou um esquema de desvio de verbas do Ministério do Turismo. Foram presas 38 pessoas, entre elas oito funcionários da pasta - três estrategicamente próximos dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. A investigação começou tendo por foco uma estranha emenda de 4 milhões de reais ao Orçamento apresentada em 2009 pela deputada Fátima Pelaes (PMDB-AP), revelada por VEJA em dezembro de 2010. Descobriu-se que a beneficiária da emenda da deputada era uma ONG fantasma. Segundo as investigações da PF, a mesma estratégia pode ter sido usada para desviar mais de 30 milhões de reais dos cofres públicos.
Saiba mais
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Frases 
  • Criou essa ideia aqui: 'ah, é pro governo, joga o valor pra três, tudo vezes três'Empresário flagrado dando lição de superfaturamento
  • Foi um erro da minha assessoriaPedro Novais, flagrado tentando jogar para o contribuinte a conta de uma noitada num motel
  • Não é só punir os funcionários que liberaram verbas do Turismo para empresas-fantasma. É preciso responsabilizar o ex-ministro Pedro Novais, que, no mínimo, prevaricou.Rubens Bueno, líder do PPS na Câmara, pedindo punição para o quinto ministro demitido do governo Dilma
Personagens 
Acervo digital
EDIÇÃO 2235 - 21/09/2011A fila ainda anda
Outras edições

Escândalo na Agricultura Julho de 2011

Escândalo 
Demitido da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) após VEJA revelar um pagamento irregular de 8 milhões de reais, Oscar Jucá, irmão do senador Romero Jucá, decidiu contar o que sabia sobre os esquemas de fraude no órgão. A VEJA, informou em julho de 2011 que PMDB e PTB tentavam controlar a pasta no intuito de embolsar dinheiro de negócios superfaturados. Em um dos casos, representantes da Conab tentaram protelar o pagamento de uma dívida para aumentar o valor e repassar parte deles para autoridades do ministério. No outro, um terreno da estatal foi vendido por um valor quatro vezes menor que o de mercado para a empresa de um amigo do senador Gim Argello (PTB). O esquema teve início quando o então Ministro da Agricultura, Wagner Rossi, comandava a Conab, entre 2007 e 2010. Na semana seguinte, VEJA revelou que o lobista Júlio Fróes atuava livremente no ministério, com acesso à entrada privativa e sala com computador, telefone e secretária - tudo com aval da cúpula.
Saiba mais
Frases 
  • O representante da empresa disse numa reunião que estava tudo combinado para pagar 2 milhões de reais ao pessoal do 8º andar (gabinete do ministro). A Karla pediu para retirar isso da ata e não denunciar à polícia.Israel Batista, ex-presidente da Comissão de Licitação do Ministério da Agricultura
  • O feijão ia ser usado para fazer política. Denunciei a irregularidade e fui punido por isso.Walter Bastos, servidor da Conab que alertou Rossi das fraudes
  • Ele (Wagner Rossi) sempre viveu da política e, com ela, se tornou um milionário.Fernando Chiarelli, ex-deputado federal e desafeto político do ministro Wagner Rossi
  • Me ligaram dizendo que era para passar na sala da assessoria parlamentar do ministério. Quando cheguei lá, estava o Fróes. Em cima da mesa tinha um monte de pastinhas. Ele me deu uma. Disse que era uma 'agendinha'. Quando abri, tinha um maço de notas de 50 reais. Devolvi na hora.Israel Leonardo Batista, ex-chefe da Comissão de Licitação do Ministério da Agricultura
  • O representante da Conab disse que só liberaria o dinheiro se a gente pagasse a eles 15% dos 150 milhões. Isso fere a dignidade de qualquer um.Antônio Carlos Simões, advogado da empresa Spam
Personagens 
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Acervo digital
EDIÇÃO 2230 - 17/08/2011A agricultura no lixo
Outras edições

Escândalo nos Transportes Julho de 2011

Escândalo 
Em julho de 2011, reportagem de VEJA revelou um esquema de corrupção montado no Ministério dos Transportes sob o comando do PR. Conforme os relatos obtidos pela revista, o partido cobrava 4% de propina de empreiteiras interessadas em contratos com o governo. O esquema tinha como coração o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e a Valec, estatal das ferrovias. A maior parte do dinheiro ia para o caixa do PR, sob a direção do então ministro Alfredo Nascimento e do deputado Valdemar Costa Neto. O restante era destinado aos parlamentares dos estados em que as obras eram - ou deveriam ser - feitas.
Saiba mais
Frases 
  • A gente não sabia mais a quem pagarDe um empreiteiro, a VEJA, sobre a desenvoltura dos integrantes do esquema de corrupção nos Transportes
  • Eu não sou lixo. O partido não é lixo. Os sete senadores do partido não são lixo.Alfredo Nascimento, de volta ao Senado, depois de ser defenestrado do Ministério dos Transportes
  • Estamos convencidos de que não se corrigem mazelas nem se constrói a excelência com um estado policial e intimidatório amparado por manchetes de jornal.Alfredo Nascimento, posando de arauto da democracia, ao anunciar a saída do PR da base do governo
Personagens 
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Acervo digital
EDIÇÃO 2237 - 05/10/2011A ONG do general
Outras edições

Palocci consultor Junho de 2011

Escândalo 
Absolvido pelo STF e reconduzido ao primeiro escalão, Antonio Palocci tornou-se em 2011 uma espécie de primeiro-ministro de Dilma Rousseff. Em maio, reportagens do jornal A Folha de S.Paulo mostraram que o patrimônio de Palocci multiplicou-se por 20 em apenas 4 anos e que em 2010, ano em que o então deputado federal coordenava a campanha de Dilma à Presidência, sua empresa de consultoria faturou 20 milhões de reais. Reportagem de VEJA revelou que o luxuoso apartamento que o então ministro da Casa Civil alugava em São Paulo estava registrado em nome de um laranja.
Saiba mais
Frases 
  • O silêncio dele só faz aumentar as suspeitas de que tenha enriquecido ilicitamente. Tudo indica que, depois do escândalo do caseiro, ele novamente tenha caído em tentação.Demóstenes Torres
  • A crise é de inteira responsabilidade de Palocci, que já deveria ter fornecido as informações sobre o seu rápido enriquecimento.Walter Pinheiro, senador (PT-BA)
  • Ao contrário do que asseveram os representantes, a lei penal não tipifica como crime a incompatibilidade entre o patrimônio e a renda declarada.Roberto Gurgel, procurador-geral da República, dando início ao engavetamento da investigação sobre o súbito enriquecimento do ministro Palocci
  • Quem acredita em Deus sabe que aqui se faz e aqui se paga.Francenildo Costa, o caseiro que teve seu sigilo bancário quebrado, num escândalo que resultou na queda de Palocci durante o primeiro governo Lula
  • É uma pena perder o ministro Palocci nesse governo, pelas qualidades que ele tem.Da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que batalhou pela demissão de Palocci e assumiu seu lugar na Casa Civil
  • Força, força.Hugo Chávez, ao abraçar Palocci no Palácio do Planalto
  • Se vim para ajudar a promover o diálogo, saio agora para ajudar a preservá-lo.De Antonio Palocci, no discurso de despedida do cargo de ministro-chefe da Casa Civil
Personagens 
Escandalômetro 
gravidade baixa
Este 'termômetro' mede a gravidade do escândalo (de 1 a 5), com base no destaque editorial que recebeu de VEJA. Quanto maior o número de chamadas de capa e reportagens ao longo do tempo, maior a ‘temperatura’ do caso. O grau máximo se refere a casos como o do mensalão, com 21 capas. O mínimo, a casos como o dossiê da pasta rosa, sem nenhuma capa, mas três reportagens.
Edição: Carolina Farina e Daniel Jelin     Reportagem: William Magalhães     Design: Sidclei Sobral     Programação: Caroline Rozendo e Lucas Dantas