domingo, 25 de maio de 2014

RESOLUÇÕES TÁTICAS DO 14º ENCONTRO NACIONAL DO PT -IMPLANTAR O TOTALITARISMO SOCIALISTA OU SEJA COMUNISMO

RESOLUÇÕES TÁTICAS DO 14º ENCONTRO NACIONAL DO PT


















FINALIDADES:

 1) REFORMA POLÍTICA (O Estado financia os partidos sem acabar com o caixa dois), e, 
2) NOVA CONSTITUIÇÃO - apoio aos movimentos sociais para o plebiscito de uma nova constituinte, uma nova constituição nos termos de uma DITADURA VERMELHA.

ELEIÇÃO???? PRA QUE ELEIÇÃO? SE  OQUE IMPORTA É PERPETUAREM SE NO PODER..
DEMOCRACIA???? .ELES ASSUMEM QUE ODEIAM A DEMOCRACIA E ELEIÇÕES.



Mimimi dos rosquinhas: o mensalão não foi tentativa de GOLPE DE ESTADO; foi um julgamento político. 





SIM foi um Julgamento Politico demorou 10 anos para serem julgados,
 Os advogados de defesa petistas confessaram o cometimento de crimes. Confessaram ter atuado organizadamente para a consecução de determinados fins ilícitos. Não há razão jurídica que justifique a absolvição do crime de formação de quadrilha. As razões políticas, no entanto, abundam e escarnecem os brasileiros sempre que erguem seus punhos cerrados em fotos tragicômicas. Não encontro em nenhum Vade Mecum artigo que diga que condenados podem utilizar aparelho celular e ter acesso a podólogas e massagistas no cumprimento de seu cárcere. Encontro, no entanto, milhares de razões políticas que as justifiquem a um figurão do alto escalão do Poder.Sim, Lula, o Mensalão foi político.

A ÚNICA DEMOCRACIA PARA O PT É O PT NO PODER.
Não querem que a democracia respire, não querem entregar o poder de jeito algum. Tem de ser com o PT de qualquer jeito, na marra!!!



É o que o PT quer e quis fazer com o mensalão: DEMOCRACIA SEM POVO, aliás, como já está acontecendo, pois a Câmara dos Deputados não mais representa o povo e os três poderes foram totalmente corrompidos pelo PT. Do tripé da democracia (executivo, legislativo e judiciário), qual não foi corrompido pelo PT?




A “solidariedade ao Haiti” significa apoio ao regime ditadorial, apoio aos governantes comunistas e retirada das tropas de força de paz e torturar o governador de São Paulo e os brasileiros com a importação dos imigrantes. Brincar com a vida das pessoas que sofrem.





REVANCHISMO ESQUERDOPATA -POR QUE NÃO MOSTRAM OS CRIMES DA ESQUERDA??? MEIA VERDADES É UMAMENTIRA INTEIRA


O GRANDE GOLPE DO PLEBISCITO POPULAR PARA IMPOR A DITADURA COMUNISTA, a VENEZUELA ONTEM, BRASIL AMANHÃ.




LEIAM NA INTEGRA O DOCUMENTO ABAIXO , O QUE DIZEM OS COMUNOS PETRALHAS, AS PRÓPRIAS PALAVRAS DELES MENCIONAM IMPLANTAR A DITADURA DO PROLETARIADO ,A DITADURA SOCIALISTA, DITADURA COMUNISTA DO PT.

O GRANDE GOLPE DO PLEBISCITO POPULAR PARA IMPOR A DITADURA COMUNISTA, a VENEZUELA ONTEM, BRASIL AMANHÃ.



14º Encontro Nacional do  Partido dos Trabalhadores

São Paulo, 2 e 3 de maio de 2014


Resolução sobre tática eleitoral e política de alianças

O Encontro Nacional do Partido dos Trabalhadores, realizado nos dias 2 e
3 de maio de 2014, na cidade de São Paulo (SP), deliberou sobre as
diretrizes de programa, da tática e da política de alianças do Partido dos
Trabalhadores nas eleições de 2014.

A versão final do documento contendo nossas diretrizes de programa de
governo será proximamente aprovada e divulgada pelo Diretório Nacional
do PT.

A seguir, publicamos a resolução sobre tática eleitoral e política de
alianças, bem como outras resoluções e moções referendadas pelos
delegados e delegadas ao 14º Encontro Nacional.


 Dilma Rousseff, nossa presidenta da República

O objetivo central do PT em 2014 é dar continuidade ao projeto nacional de
desenvolvimento sustentável, iniciado pelo ex-presidente Lula e
continuado, com avanços, pela presidenta Dilma Rousseff. Este projeto se
concretiza, agora, com a reeleição da presidenta Dilma. Este é o objetivo
que organiza nossa participação nas eleições estaduais, bem como a
política de alianças aprovada na primeira etapa do 5º Congresso, no
Diretório Nacional e neste 14º Encontro.

O 14º Encontro Nacional delibera que a companheira Dilma Rousseff é a
pré-candidata do Partido dos Trabalhadores à Presidência da República
nas eleições de 2014. A reeleição da companheira Dilma será conquistada
com amplo apoio nos movimentos sociais, na juventude, junto às
mulheres, aos idosos, aos trabalhadores da cidade e do campo, aos
intelectuais, aos empresários comprometidos com o desenvolvimento
nacional, aos partidos políticos que dão sustentação política ao nosso
governo.

É fundamental, também, reeleger o PT nos governos estaduais que hoje
encabeçamos e garantir vitórias na sucessão dos demais governos, ao
mesmo tempo em que ampliamos nossas bancadas parlamentares e as de
nossos aliados favoráveis à reforma do sistema político-eleitoral.

Compete ao Diretório Nacional dirigir politicamente a campanha eleitoral
nacional, articulando-a com as campanhas estaduais, imprimindo ao
conjunto a tática, a política de alianças e as diretrizes de programa de
governo debatidas neste 14º Encontro e na primeira etapa do 5º Congresso
do Partido. À Direção Nacional, através da sua Comissão Executiva, cabe
decidir, em última instância, as questões envolvendo as alianças
necessárias à condução vitoriosa da campanha nacional.
3
O segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff

Pesquisas recentes confirmam que a Presidenta Dilma é a preferida da
maioria do eleitorado, parte importante do qual deseja mudanças no
segundo mandato. Prevalece no eleitorado e no povo brasileiro o desejo de
que o segundo mandato Dilma “continue mudando” o Brasil. Noutras
palavras, um segundo mandato Dilma superior ao atual é desejo não
apenas do PT, mas da maioria do povo brasileiro.

O que significa, programaticamente, um segundo mandato superior ao
primeiro? O que significa “continuar mudando” o Brasil? Responder a estas
perguntas exige lembrar que, tanto no Brasil quanto no conjunto da
América Latina, continua posta a tarefa de superar a herança maldita
cujas fontes são a ditadura militar, o desenvolvimentismo conservador e a
devastação neoliberal.

Esta herança maldita se materializa, hoje, em três dimensões principais: o
domínio imperial norte-americano; a ditadura do capital financeiro e
monopolista sobre a economia; e a lógica do Estado mínimo.

Superar estas três dimensões da herança maldita é uma tarefa
simultaneamente nacional e regional, motivo pelo qual defendemos o
aprofundamento da soberania nacional, a aceleração e radicalização da
integração latino-americana e caribenha, uma política externa que
confronte os interesses dos Estados Unidos e seus aliados.

Quase três ¨décadas perdidas¨ (metade dos anos 1970, anos 1980 e 1990)
produziram uma tragédia que começamos a debelar, nas duas gestões do
presidente Lula e na primeira gestão da presidenta Dilma. Mas para
continuar democratizando o país, ampliando o bem-estar social e trilhando
um caminho democrático-popular de desenvolvimento, será necessário
4
combinar a ampliação da democratização política, as políticas públicas
universalizantes do bem estar-social, e um desenvolvimento ancorado em
reformas estruturais.

Disputa de projetos

A disputa eleitoral de 2014 vem sendo marcada por um pesado ataque ao
nosso projeto, ao nosso governo e ao PT, por parte de setores da elite
conservadora e da mídia oligopolista, que funciona como verdadeiro partido
de oposição.

Aliás, em diferentes países da América Latina, as forças de direita parecem
adotar uma tática similar contra as forças democráticas e populares. Nos
últimos anos, foram pelo menos dois os golpes de Estado (Honduras e
Paraguai). E em várias eleições, a direita busca dividir os países ao meio,
lançando mão para isto do terrorismo econômico, do denuncismo
supostamente anticorrupção e das mobilizações de rua. O PT está
preparado para este tipo de enfrentamento, ao qual responderemos antes
de tudo com propostas programáticas que apontem para mudanças
substantivas do nosso futuro.

Nossos adversários representam um projeto oposto ao nosso, muito embora
um deles se esforce em transmutar-se em uma suposta terceira via.
Guardadas diferenças secundárias e temporais, arregimentam os
interesses privatistas, rentistas, entreguistas, sob o guarda-chuva
ideológico do neoliberalismo e de valores retrógrados do machismo, racismo
e homofobia, daqueles que pretendem voltar ao passado neoliberal,
excludente e conservador.


5
Uma dura disputa

A eleição presidencial de 2014, em que hoje aparecemos como favoritos nas
pesquisas, será uma das mais duras desde a redemocratização. Isto se
deve, entre outras razões, ao perfil dos adversários, à complexidade da
conjuntura e aos reflexos da crise mundial.

Faz parte deste contexto difícil o processo de crescente judicialização da
política, no qual se destaca o Supremo Tribunal Federal, que vem
extrapolando suas atribuições em várias questões da vida nacional, no que
é seguido por outras instâncias do Judiciário, em detrimento da soberania
popular expressa no voto.

O principal exemplo desta conduta é o julgamento de exceção em que se
transformou a Ação Penal 470. Além de tudo que já foi dito em resoluções
anteriores do Partido a respeito, agora vemos a perseguição e a negação de
direitos a condenados, com o objetivo de acuar o próprio PT. Enfrentar esta
situação exige, para além de medidas imediatas, um persistente trabalho
de desconstrução da opinião pública acerca deste julgamento, que foi "80%
político" e injusto. A campanha eleitoral dos adversários deverá abordar
este assunto, o que o tornará ainda mais incontornável.

De nossa parte, trata-se não apenas da necessária defesa de direitos
individuais, mas principalmente de salvaguardar direitos democráticos
duramente conquistados, inclusive porque a judicialização sabidamente se
desdobra na criminalização dos movimentos sociais.




6
A tática

O avanço do nosso projeto está vinculado à capacidade que tivermos de
apresentar um programa de mudanças a partir das conquistas realizadas
desde o governo Lula, mantidas e aprofundadas por Dilma, vinculando-os
aos valores da liberdade, da igualdade, da soberania nacional, da
sustentabilidade ambiental e de um mundo de paz e desenvolvimento para
todos os povos.

O debate programático e ideológico é uma ferramenta decisiva para a
vitória. A conquista da maioria do povo para a defesa e o voto em um novo
ciclo de mudanças com o PT passa pelo trabalho fundamental de difusão
do nosso programa, de mobilização dos setores socialmente beneficiados
por ele e do confronto – para mais uma vez derrotar – com a ideologia
conservadora e o programa neoliberal.

As eleições de 2014 exigem uma tática política capaz de promover um
elevado grau de unidade interna e mobilização, associados à formação e
capacitação da militância, a fim de que a defesa do nosso projeto possa ser
feita nas ruas e para que sejamos capazes de superar os padrões de
despolitização e os ataques insidiosos que a oposição vem tentando
imprimir à sucessão presidencial.

A continuidade – e, sobretudo, o avanço – do nosso projeto está vinculada à
nossa capacidade de fortalecer um bloco de esquerda e progressista,
amparado nos movimento sociais, na intelectualidade e em todos os setores
comprometidos com o processo de transformações econômicas, políticas,
sociais e culturais implementadas pelos governos Lula e Dilma.

7
A existência deste bloco democrático e popular é fundamental para agregar
outras forças políticas e sociais de centro, numa ampla frente que apoie a
eleição e o segundo mandato da presidenta Dilma.

Neste sentido, o 14º Encontro Nacional do PT destaca a importância da
candidatura Dilma acolher a "Pauta da classe trabalhadora", apresentada
pela CUT e as centrais sindicais.

Aprofundar as mudanças

As manifestações de junho de 2013 demonstraram e o amplo processo de
discussões que o PT vem promovendo confirmaram que há um sentimento
de urgência em favor de mudanças mais profundas e rápidas.

O fato é que, após mais de uma década de melhorias sociais relevantes, a
população reivindica reformas, todas contidas em nosso programa, como é
o caso exemplar da reforma política, a democratização da comunicação, a
reforma agrária, a reforma urbana e a reforma tributária.

É inegável que as condições de vida das pessoas melhoraram
sensivelmente, sob diversos parâmetros: em relação ao emprego, o acesso à
educação e diferentes políticas públicas. Mas essa melhora fica esmaecida
devido à mobilidade urbana cada vez mais difícil, à pouca eficiência dos
sistemas de saúde e educação públicas, a violência, a insegurança e a
percepção de corrupção no mundo político e no judiciário.

Como já foi dito, ao apoio à continuidade do nosso projeto pela maioria da
população soma-se um manifesto desejo de mudança. É continuidade com
mudança ou mudança com continuidade – com o PT, não sem o PT ou
contra o PT. Mudança nas condições de vida, especialmente um salto de
qualidade nos serviços públicos. E mudança na organização e no
8
funcionamento das instituições políticas, de modo a ampliar a participação
popular, o controle social e os mecanismos de democracia direta, ao
mesmo tempo que restringimos a influência do poder econômico.

Daí reafirmarmos a necessidade de reeleger Dilma com base na mobilização
social da maioria do povo, com um avanço na hegemonia dos valores da
liberdade, da igualdade, com a afirmação de um programa de
desenvolvimento nacional com distribuição de renda e democracia. Isto
criará as condições para fazermos um segundo mandato com novas
conquistas, novos direitos, novos avanços e reformas estruturais, com
prioridade para a reforma política com participação popular, a
democratização da mídia e serviços públicos universais de qualidade.

Nessa mesma linha, o primeiro desafio político da campanha é articular
este programa de um segundo mandato superior com a defesa das grandes
conquistas obtidas pelo povo brasileiro durante os governos Lula e Dilma.
Isto será feito através da formulação de um programa de governo
participativo, que aponte propostas de um novo ciclo de desenvolvimento e
inclusão, que amplie e aprofunde os avanços anteriores. Não basta
defender o legado, por maior que ele seja. Também é necessário responder
às novas demandas da sociedade. Mas quem busca a reeleição não pode
apenas apresentar novos programas e falar sobre o futuro. Precisa,
igualmente, mostrar o que já fez. Assim, a campanha deverá apontar os
desafios que pretendemos vencer no futuro e, simultaneamente, resgatar a
bem-sucedida solução dos grandes problemas do passado. No essencial,
nosso discurso deve unir os dois momentos.

O programa de governo é um importante instrumento de formulação e
mobilização. Ele deve ser elaborado a partir do PT, em diálogo com os
movimentos sociais, com a participação de todos os partidos da coligação.
Uma ação central de nossa tática é constituir um representativo grupo de
trabalho que inicie este processo de formulação, consolidando eixos
9
temáticos indicados a partir das diretrizes aprovadas nesse 14º Encontro,
incorporando a militância setorial, intelectuais orgânicos e instancias
partidárias.

O desafio eleitoral

Na medida do possível, devemos buscar a construção de palanques
estaduais unitários, respeitando sempre as particularidades de cada
Estado da federação. Onde um palanque unitário se revelar politicamente
inviável, devemos firmar acordos de procedimento antes e durante a
campanha, que possibilitem a existência de dois ou mais palanques para a
candidatura presidencial.

As eleições de 2014 são, também, um momento decisivo para travar o
debate de idéias e conquistar hegemonia em torno do nosso projeto de
sociedade. Nesse sentido, a proposta feita pela presidenta Dilma ao
Congresso Nacional, de um plebiscito para convocar uma Constituinte
Exclusiva pela Reforma Política, proposta encampada pelo PT, movimentos
sociais, centrais sindicais, partidos políticos, organizações da sociedade,
deve fazer parte destacada da ação eleitoral da militância e de nossas
candidaturas. A luta pela reforma política deve estar no centro de nossa
tática eleitoral e dos programas de governo nacional e estaduais.

O PT nacional orienta os estados a constituir chapas proporcionais fortes,
representativas e com o maior número possível de candidatos, entendendo
que isso contribui para engajar um maior número de militantes na
campanha pela reeleição da Presidenta Dilma, dos majoritários estaduais e
na própria legenda proporcional. Cabe ao partido estimular novas
candidaturas, projetando assim novos quadros públicos, especialmente
mulheres, jovens e representantes de segmentos etno-raciais.

10
Por fim, reafirmamos que para nós do Partido dos Trabalhadores as
eleições não são um fim em si mesmo. Nosso grande objetivo é, através das
vitórias que obtemos nos espaços institucionais, democratizar o Estado,
inverter prioridades e estabelecer uma contra-hegemonia ao capitalismo,
capaz de construir um projeto de socialismo radicalmente democrático para
o Brasil.

Concluímos relembrando a necessidade de preservar e defender o PT. Os
setores conservadores e o conjunto da classe dominante encaram o PT
como um pesadelo, porque estamos destruindo o sonho acalentado por eles
durante séculos: o sonho de uma “democracia” sem povo.

O PT está construindo o sonho das classes trabalhadoras, dos pobres e dos
que mais precisam do Estado brasileiro: continuar mudando o Brasil,
fazendo cada vez mais um país rico e desenvolvido, sem miséria e com
democracia política, econômica e social.















11
Moções e resoluções especiais

A mídia e as eleições
A defesa da liberdade de imprensa é um dos princípios fundamentais
defendidos pelo PT desde sua fundação. Ao longo dos seus 34 anos, o
partido sempre defendeu de forma intransigente as liberdades de opinião e
expressão como elementos centrais para a democracia.
No entanto, o que percebemos do oligopólio midiático brasileiro é um
distanciamento da verdade factual e a adoção de uma linha editorial que
busca a permanente desconstrução dos movimentos sociais, dos nossos
governos e do nosso partido. O oligopólio midiático tenta induzir a opinião
pública e inflar nossos adversários, assumindo o papel de oposição
sistemática.
Defendemos a verdade! Para isso é fundamental garantir o contraditório e a
diversidade de opiniões nos noticiários. Cabe ao povo brasileiro fazer suas
escolhas sem a maléfica influência causada pela sistemática distorção dos
fatos, que vem sendo praticada por parte dos meios de comunicação.


Ampliar o número de parlamentares mulheres
O Partido dos Trabalhadores defende os direitos das mulheres. A primeira
presidenta da República é do PT. Somos o primeiro partido brasileiro a
aprovar a paridade de gênero em seus organismos dirigentes. Defendemos
uma reforma política, que introduza o voto em lista partidária, para
garantir a paridade também no processo eleitoral.
Com estes objetivos, o Partido dos Trabalhadores tem participado
ativamente da campanha do plebiscito popular por uma Constituinte
Exclusiva e Soberana do Sistema Político, em defesa do financiamento
público de campanha, do fortalecimento dos partidos, da ampliação dos
instrumentos de democracia direta, participação popular e a representação
dos trabalhadores, das mulheres, dos negros e das negras, da juventude.
12
Entretanto, enquanto a reforma política não vem, precisamos adotar
medidas imediatas para aumentar a presença de mulheres, especialmente
das petistas, nos parlamentos estaduais e no Congresso Nacional.
Nesse sentido, o Diretório Nacional do PT, bem como as direções estaduais,
darão tratamento especial para as candidatas à senadora, à deputada
federal e à deputada estadual nas eleições de 2014.
Por tratamento especial, entenda-se: campanha institucional, inclusive no
horário eleitoral gratuito, pedindo voto nas candidatas mulheres; apoio
partidário no planejamento das candidaturas, inclusive pesquisas; apoio
com impressos de campanha fornecidos pelo Partido; apoio financeiro,
através de transferência de recursos do comitê partidário para os comitês
proporcionais de candidaturas mulheres. Nestas eleições de 2014, o PT
destinará no mínimo 30% da arrecadação do comitê financeiro para as
campanhas das candidatas mulheres.
Uma decisão deste tipo antecipa os efeitos positivos da reforma política
defendida pelo Partido (que inclui voto em lista, com paridade de gênero) e
constitui uma demonstração prática de apoio à luta das mulheres.


Solidariedade ao Haiti
A resolução da Comunidade de Estados Latino Americanos e Caribenhos
(CELAC), de fazer da região uma zona de paz, reconhece que após dez anos
de presença militar estrangeira, articulada pelos Estados Unidos depois do
golpe das grandes potências que derrubou o governo eleito do padre
Aristide, a situação segue muito difícil para o povo haitiano. Cresce a
mobilização popular pela retirada das tropas da MINUSTAH, inclusive com
o pedido unânime neste sentido, aprovado pelo senado haitiano. É
chegado, pois, o momento de discutir se foram cumpridas as tarefas de
estabilização e, em conjunto com as instituições multilaterais, discutir a
retirada das tropas.
O fluxo de milhares de imigrantes haitianos, inclusive para o Brasil, indica
a existência de um imenso problema humanitário, que exige a pronta
13
atenção dos vários níveis do governo brasileiro, tendo em vista a integração
digna destes imigrantes na vida civil e no mercado de trabalho.


Em defesa da Petrobras
Cabe desencadear uma campanha popular em defesa da Petrobras, numa
agenda de mobilização com a participação da FUP e de outras entidades,
visando desmascarar o interesse de grandes petrolíferas, aliadas à
oposição, de voltar ao superado sistema de concessão.


Revisão da Lei de Anistia
Durante o governo da presidenta Dilma, importantes avanços foram
construídos para revelar a memória e a verdade de nossa história.
Precisamos ouvir os anseios da sociedade brasileira e avançar na
democratização do país, enfrentando a impunidade que ainda resiste na
atual Lei da Anistia, no que tange os torturadores e assassinos de presos
políticos. Defendemos a revisão da Lei da Anistia e o julgamento dos que
cometeram crimes contra o povo brasileiro.


Apoio ao Plebiscito Popular
Se quisermos que o Brasil continue mudando, o fortalecimento e o
aprofundamento da democracia devem ocorrer em um ritmo mais
acelerado. Por isso, o PT defende a convocação de uma Constituinte
exclusiva para realizar a reforma política.
Com este propósito, o PT apoia e participa da iniciativa de movimentos
sociais, centrais sindicais e demais organizações de realizar, entre os dias 1
e 7 de setembro de 2014, um Plebiscito Popular pela Constituinte
Exclusiva e Soberana do Sistema Político.
Ao mesmo tempo, o PT intensificará a coleta de assinaturas para o nosso
projeto de iniciativa popular, que pretende instituir o financiamento
14
público exclusivo de campanhas eleitorais, o voto em lista preordenada
para os parlamentos, o aumento compulsório da participação feminina nas
candidaturas e a convocação da Assembleia Constituinte exclusiva sobre
Reforma Política.
É através do debate público e da mobilização social que tornaremos
realidade a reforma política e a Constituinte.
O PT saúde a proposta de proibição da doação de empresas a candidatos
ou partidos políticos, atualmente em tramitação no Congresso Nacional,
bem como a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra o
financiamento de campanhas eleitorais por empresas privadas, em
julgamento no Supremo Tribunal Federal.
O financiamento empresarial das campanhas eleitorais é um atentado ao
princípio de que a democracia deve ser baseada nos direitos iguais dos
cidadãos e cidadãs, independentemente de sua riqueza e renda. Por isto, é
necessário afastar a influência do poder econômico sobre as instituições
representativas.


Contra a PEC 352/2013
O Partido dos Trabalhadores é contrário à PEC 352/2013 proposta pelo
Grupo de Trabalho destinado a estudar e elaborar propostas referentes à
Reforma Política e à consulta popular sobre o tema. O PT já fechou questão
e orientou sua bancada na Câmara dos Deputados a barrar a tramitação
desta proposta e pautar a votação do projeto do Decreto Legislativo que
propõe a convocação de plebiscito sobre a reforma do sistema político.


Repúdio ao racismo
Nós, negros e negras presentes ao 14º Encontro Nacional do PT, afirmamos
nossa preocupação com as crescentes manifestações de racismo nos
esportes, em especial no futebol.
15
Como parte da ação constante de combate ao racismo, apontamos a
necessidade de mais ações a respeito durante a campanha eleitoral e,
também, de maiores iniciativas de inclusão por parte dos programas de
governo.
Repudiamos de forma veemente a pseudo campanha "Somos todos
macacos", que não combate o racismo, desconstruindo a luta histórica do
movimento negro. O combate ao racismo se dá através da implantação de
políticas públicas efetivas e na luta cotidiana em defesa dos direitos
humanos.
Com Mandela reafirmamos: "Somos todos diferentes, mas o que nos faz
diferentes não pode nos tornar desiguais".



São Paulo, 2 e 3 de maio de 2014.
14º. Encontro Nacional do Partido dos Trabalhadores
Centro de Convenções do Anhembi - SP


FONTE:: http://www.pt.org.br/wp-content/uploads/2014/05/14-ENPT-RESOLUCAO-TATICA-ELEITOAL-FINAL-1.pdf

FONTE: IMAGENS( SLIDES) OCC Alerta Brasil