terça-feira, 17 de março de 2015

'Doação oficial é balela', diz Paulo Roberto Costa


PUBLICIDADE



Em vídeo gravado pela PGR (Procuradoria Geral da República) em fevereiro com autorização do STF (Supremo Tribunal Federal), o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou que o o sistema de doações eleitorais registradas na Justiça Eleitoral no Brasil é uma falsidade.
"Esse negócio de doação oficial... A maior balela que tem nesse Brasil é a doação oficial, né. Agora há pouco saiu na imprensa várias vezes que o dono da UTC fez uma doação oficial de não sei quantos milhões para o PT. Pô, com dinheiro daqui [da Petrobras]. Não tem doação oficial, isso é balela", disse Costa.
Segundo o ex-diretor, as doações na realidade são "empréstimos". "Eu já falei isso lá para os procuradores [do Paraná] e vou falar aqui para vocês. Esse negócio de contribuição oficial não existe, tá? Isso não existe. Nenhuma empresa vai doar [R$] 2 milhões, 3, 4, 5 milhões porque gosta de Fulano de Tal. Na realidade todas as doações, seja oficial ou não oficial, não são doações, são empréstimos. A empresa está emprestando pro cara e depois vai cobrar dele", disse Costa.
O STF liberou na tarde desta terça-feira (17) o acesso aos depoimentos gravados por Costa e pelo doleiro Alberto Youssef na condição de principais delatores da Operação Lava Jato. Os depoimentos estão anexados aos inquéritos que tratam dos políticos com foro privilegiado no Supremo. São os primeiros vídeos que registraram os depoimentos feitos dentro dos acordos de delação premiada fechados pelos dois investigados com a força tarefa da Lava Jato.
Em outro trecho do vídeo, gravado na Procuradoria da República no Rio de Janeiro em fevereiro passado, Paulo Roberto Costa contou que o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) "agradeceu" pelo liberação de R$ 2 milhões do esquema da Petrobras para sua campanha eleitoral. O repasse, segundo Costa, foi "operacionalizado" por Youssef. O ex-diretor reafirmou que o pagamento foi feito –Lindbergh nega ter recebido qualquer recurso.
"Que o dinheiro foi pago, foi. Porque depois houve, entre aspas, um agradecimento. [...] Ainda em 2010. Por parte do próprio [Lindbergh]. 'Ô Paulo, aquilo lá foi resolvido'. Agradecer já é assim, olha, está resolvido', não reclama", contou Costa.
O ex-diretor da Petrobras afirmou ainda que uma série de aquisições de turbinas para usinas termelétricas geraram gastos desnecessários ainda no governo FHC, o que "nunca foi apurado" pela Petrobras. Segundo Costa, as turbinas foram vendidas pela empresa Alstom, acusada de pagar propinas a servidores e políticos do PSDB de São Paulo, mas acabaram em um almoxarifado e só foram usadas anos depois.
"Foram feitas compras de dezenas de turbinas para esse sistema emergencial termoelétrico. Só que algumas dessas turbinas vieram a ser usadas –isso foi em 2001, 2002– algumas dessas turbinas vieram a ser usadas agora em 2010. Então ficaram oito, nove dez anos, estocadas. Foram compradas de emergência , pagou-se um valor gigante e foram para o almoxarifado. E isso nunca foi apurado. [...] Na época do governo Fernando Henrique. Alstom, que já é figurinha carimbada em muitos processos [...]", afirmou o ex-diretor da estatal do petróleo. Segundo ele, "comentava-se" na Petrobras sobre pagamentos de vantagens indevidas pela Alstom, mas não soube dizer se isso era verdade.
COLLOR
Em outro vídeo gravado pela PGR, Youssef confirmou ter providenciado recursos para o ex-presidente e senador Fernando Collor (PTB-AL) "a pedido de" Pedro Paulo Leoni Ramos, que foi ministro de Collor (1990-1992). Segundo Youssef, os pagamentos ocorreram "por volta de 2010/2011", não soube precisar as datas "porque já faz algum tempo".
O doleiro disse que não teve contato pessoal com Collor, mas sim com um seu suposto funcionário. "Diretamente com o senhor Fernando Collor, não. Com o funcionário dele, sim. É esse que estou tentando lembrar o nome e não tô conseguindo lembrar. Ele esteve várias vezes no meu escritório e me ligava quando tinha recursos para retirar. E quando estava pronto, eu ligava para ele e avisava que estava pronto, mas não estou conseguindo me lembrar o nome dele. Tanta gente aí...", disse o doleiro.
Youssef afirmou que "quem abriu as portas no Ministério da Saúde" para negócios de seu interesse foi o ex-deputado federal André Vargas, que no ano passado deixou o PT e a Câmara, mas disse que não remunerou o ex-parlamentar

FONTE:http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/03/1604354-doacao-oficial-e-balela-diz-paulo-roberto-costa.shtml