segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Nenhuma ditadura serve ao Brasil" por Jorge Serrão


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Não há dúvidas de que Dilma Rousseff nem deveria ter sido reeleita por falta de condições morais mínimas para governabilidade. É consenso que o desgoverno nazicomunopetralha foi irremediavelmente manchado pelas comprovadas denúncias de corrupção do tal "petrolão" (desdobramentos dos processos judiciais e investigações da Operação Lava Jato - que podem acabar com a carreira de pelo menos 28 famosos políticos metidos em falcatruas além do próprio pescoço colocado a prêmio).

No entanto, é ingenuidade que supor de o esquema político atual, com hegemonia do PT-PMDB, deixará Dilma sofrer impeachment. Mais inocente ainda é esperar que o Brasil será salvo dos nazicomunopetralhas por uma intervenção ou golpe militar idêntica a de 1964, embora a notória inimizade das Forças Armadas com Dilma não permita que ela tenha força e sustentação suficientes para impor ao Brasil um modelo tipo "bolivariano".  Também não dá para esperar pelo milagre que a administração Barack Obama intervenha contra os planos do Foro de São Paulo no Brasil.

Pedir pelos milagres não custa nada... Faz sucesso nas redes sociais uma petição, criada dia 28 de outubro, que conclama a Casa Branca a se posicionar contra o Foro de São Paulo e a “expansão do comunismo bolivariano promovido pelo governo Dilma Rousseff”. O pedido de apoio para convencer Barack Obama a tomar uma providência argumenta que “o Brasil não quer ser, e não será, uma nova Venezuela, e os Estados Unidos devem ajudar os que querem promover a democracia e liberdade no Brasil”.

Embora se saiba que o efeito tende a ser nulo, nada custa assinar o pedido que está hospedado no site oficial da Casa Branca, com o box "We the People, your voice in your government". O link de acesso é: https://petitions.whitehouse.gov/petition/position-yourself-against-bolivarian-communist-expansion-brazil-promoted-administration-dilma/V2Y8Dpqm .O número de adesões vem crescendo bastante. De repente, vai forçar até o Itamaraty a pedir a White House que cometa o ato de censura antidemocrática, para retirar o link do ar...

Agora, o triste é quando você precisa implorar a ajuda de um governo estrangeiro para resolver um problema que é de mobilização dos cidadãos de seu País... Lamentável também é quando jogamos toda a responsabilidade de solução de um problema político (que também é dos cidadãos) sobre os ombros e braços fortes dos militares - que não têm mais a mesma visão tenentista de intervenção do passado. Mais dantesco ainda é supor que a base aliada venha a derrubar Dilma - a não ser para trocá-la por alguém que faça parte do mesmo time deles.  

Outro factóide que dará em nada, embora até seja justo. Depois do resultado eleitoral homologado, com a derrota da oposição, é muito tarde, tarde demais, para pedir ao Superior Tribunal Eleitoral que promova uma auditoria na eleição. A oposição, como de costume, cometeu o pecado original de ter aceito as regras do jogo - e, agora, reclamar parece chorinho de perdedor.

Atitude politicamente responsável, baseada na segurança do Direito, é começar uma campanha nacional em favor da transparência no sistema eletrônico de votação, desde as urnas até o processamento final do voto - que é onde as fraudes têm chance real de ocorrer. O sistema de votação precisa do voto impresso na urna, com a fiscalização do eleitor que o depositará em uma urna física, para posterior recontagem geral ou por amostragem. Por que precisamos ter pressa na divulgação do resultado eleitoral, se as democracias mais sólidas do mundo não agem assim?

Ao cidadão que se considera oposição verdadeira ao governo cabe o livre direito de protestar e não aceitar manobras totalitárias impostas pela turma do Foro de São Paulo. Só não podemos combater uma ditadura pedindo a implantação de outra ditadura, seja de que tipo for. Além de incoerência política, isto é um arakiri institucional...

A pressão total tem de ocorrer sobre o judiciário. Bandido bom é bandido preso, pegando pelo que roubou dos cofres públicos, com o patrimônio pessoal. O resto é barbárie. Precisamos de Judiciário para fazer Justiça. O General Paulo Chagas, em suas mensagens, lança a mensagem correta, justa e perfeita: "Nenhuma ditadura serve ao Brasil". Muito menos a do governo do crime organizado.

O Brasil precisa de união, não de separação. O Brasil precisa de respeito a um federalismo de verdade, e não de uma União imperial que nos transforma na República Sindicalista de Bruzundanga. Ou mudamos nossa cultura política, ou nunca seremos uma democracia, desenvolvida, com cidadãos plenamente educados pela base familiar e por um sistema de ensino de qualidade.

É disto que precisamos, com liberdade e responsabilidade. O resto é consequência...


Autocensura sobre o protesto de sábado


As redes Globo e Bandeirantes brigaram com a notícia e praticaram vergonhosa autocensura ao nada divulgarem sobre as manifestações de sábado - mais intensas em São Paulo que no Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba, Belo Horizonte, Porto Alegre e Belém.

No entanto, a Rede Record, de propriedade do aliado do governo Edir Macedo, deu uma notinha coberta de 20 segundos, explicando qual foi a realidade do ato paulistano:

"Protesto contra a reeleição presidencial e a favor de uma intervenção militar no país ocupou hoje a Avenida Paulista, em São Paulo. Cerca de mil manifestantes se reuniram na principal avenida da cidade. Eles pediram a saída da presidente do poder e defenderam um novo golpe militar. Em cartazes, criticaram o Partido dos Trabalhadores e defenderam o candidato derrotado Aécio Neves. Pediram ainda a recontagem de votos e acusaram o Tribunal Superior Eleitoral de simpatia pelo PT".


Nada de Divisão, nem separação!

Em entrevista a O Globo, o eterno governista Moreira Franco, aquele que Brizola chamava de Gato Angorá, fez uma crítica à onda de separatismo e divisão no Brasil:

"Você tem um compromisso básico na democracia que é a aceitação do resultado. Houve divisão? Claro. De opções por programas. Os problemas reais existem e têm que ser enfrentados da forma que a presidenta está dizendo que vai fazer, que é o diálogo com a sociedade. Agora, não existe nada mais grave na história da humanidade do que você levar para a disputa política a divisão do país. Só há Nação quando existe país com unidade. A unidade não significa maioria estreita, a unidade é uma postura política, é você acreditar que pensa viver naquela sociedade que você quer melhorar. Tivemos guerras terríveis mundo afora de grupos que se organizaram para buscar a quebra da unidade do país. A quebra da unidade do país é a quebra da organização de uma sociedade. Acho que as pessoas estão sendo irresponsáveis. Essa é uma discussão irresponsável porque não é verdadeira".

Desta vez, é preciso concordar com o Gato Angorá: divisões e separatismos não interessam ao Brasil, embora o tema mereça até ser debatido, para mostrar que a nossa unidade nacional depende, cada vez mais, de um sistema federalista que funcione de verdade - e não o modelo que temos hoje, de união imperial que dita as ordens e a grana para o resto dos estados da "federação de araque".

Terror do tráfico via internet

Causa revolta nas redes sociais uma  gravação de 49 segundos, transmitida através do aplicativo WhatsApp, na qual uma irritante voz ameaçadora decreta um toque de recolher contra a morte de traficantes em uma guerra por disputa de pontos de vendas de drogas, em São Gonçalo, na região metropolitana do Grande Rio de Janeiro:

“Irmão, o bagulho tá doidão aí, tá ligado? Geral no cumprimento do dever aí, cada um fazendo sua parte. Nós tá ligado que o bagulho tá doido na situação. Mataram uns amigo aí, mas eu quero dar o aviso para os morador da cidade, pra ninguém sair para as rua amanhã. Comércio, escola, tudo fechado. Ninguém sai de casa, tá ligado? Não quero ninguém na escola de manhã, de tarde, de noite. O bagulho já tá dado já, o papo já tá mandado já. É verídico. Se eu pegar alguém na rua, o bagulho vai ficar doido. Nós é bandido. Nós não têm medo de polícia, não. Bala neles (sic).”

A estratégia de usar o WhatsApp para espalhar o medo entre moradores vem sendo empregada em ao menos 12 bairros de São Gonçalo por membros de facções criminosas. 

Mal uso do BI para demagogia

O secretário municipal de Segurança de São Gonçalo, Antônio Oswaldo da Silva, que é Coronel reformado da PM, lamenta a mudança do plano que previa a utilização da antiga sede do 3º Batalhão de Infantaria do Exército como sede de um centro de comando e controle, que integraria ações de segurança.

Por pura demagogia dos governos federal e estadual, o espaço será destinado à construção de imóveis do Minha Casa Minha Vida - que poderiam ser feitos em outros lugares mais adequados, e não no histórico quartel do qual o EB abriu mão.

São Gonçalo tem mais de um milhão de habitantes e apenas um batalhão, que conta com metade do contingente que tinha quando foi criado (são 835 PMs atualmente, número absolutamente insuficiente).

Problema de paternidade


Pura malvadeza

Volta a circular no Facebook um relato-lenda (que pode ser verdadeiro ou falso), mas que serve para deixar a petralhada PT da vida:

Fui a uma loja hoje de manhã e estive lá por uns 5 minutos. Quando eu saí, vi um amarelinho preenchendo uma multa. Corri até ele e soltei o famoso:

- Peraí, amigão, não faz isso não, dá uma chance!

Ele me ignorou e continuou escrevendo a multa.

Então eu o chamei de babaca metido a polícia!

Ele me olhou e, sem dizer nada, deu uma olhada em um dos pneus do carro e começou a fazer outra multa. Então eu falei:

- Que merdinha de profissão a sua, hein?

Ele começou a escrever uma terceira multa!

Foram mais uns 5 minutos ali fora, discutindo ou tentando discutir.

E quanto mais eu xingava, mais multas ele preenchia. Depois que eu vi que aquilo não iria resolver, saí dali e fui pegar o meu carro no estacionamento, na outra quadra.

Mas tudo bem o importante mesmo é ter tentado ajudar o outro coitado que eu nem sei quem é, mas que tinha adesivos da Dilma e do PT no carro!
A gente se sente com a alma lavada!

Cada cabeça uma peruca