quarta-feira, 24 de outubro de 2012

MEC sabia de irregularidades em contratos da gestão Haddad


Órgão efetuou pagamentos a fornecedores suspeitos mesmo com parecer em contrário do próprio Ministério

Fernando Haddad e Malvina Tuttman Foto André Dusek AE MEC sabia de irregularidades em contratos da gestão Haddad
Reportagem da Folha de S. Paulo:
Apuração do MEC (Ministério da Educação) sobre a licitação aberta para resolver os problemas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) já apontava as irregularidades investigadas depois por Polícia Federal e TCU (Tribunal de Contas da União).
Mesmo sabendo dessas suspeitas, o Inep (instituto ligado ao ministério e responsável pelo Enem) fez pagamentos a duas das quatro empresas contratadas.
O caso ocorreu na gestão do candidato à Prefeitura de São Paulo Fernando Haddad (PT). O petista diz que foi ele que abriu a investigação e, depois, autorizou o envio das informações à Controladoria-Geral da União e ao TCU.
Os órgãos do MEC que apontaram problemas no contrato foram a Comissão de Auditoria Interna e a Procuradoria, que analisaram os contratos, assinados para fortalecer a segurança das provas do Enem e impedir vazamentos, como o de 2009.
O trabalho, concluído em dezembro de 2011, apontou indícios de sobrepreço, direcionamento e uso de documentos falsos na licitação. As suspeitas, como a Folharevelou, foram depois aprofundadas pela PF e pelo TCU.
A Procuradoria sugeriu que o Inep suspendesse todos os pagamentos enquanto as suspeitas não estivessem explicadas. Mas, num despacho de fevereiro deste ano, a então presidente do Inep, Malvina Tuttman, decidiu fazer os pagamentos a duas das contratadas –Malvina Tuttman diz que cumpriu todas as determinações dos órgãos do MEC e que os pagamentos foram feitos após as empresas aceitarem o parcelamento do valor devido.
Segundo o Inep, os pagamentos foram legais porque a auditoria interna indicava que os repasses de recursos à ATA e à DNA, duas da quatro empresas contratadas pela licitação, deveriam ser escalonados, e não cancelados.
O instituto diz que os equipamentos contratados foram “entregues, testados e adquiridos por preços compatíveis com os de mercado”. (DIMMI AMORA E FERNANDO MELLO)
(grifos do implicante)

Comentário

A ex-presidente do Inep foi mantida no cargo por Haddad até a saída dele do MEC. Segundo informou em janeiro a colunista Christina Lemos, do “insuspeito” portal R7, as demissões na pasta foram adiadas até a posse de Mercadante para poupar de críticas o escolhido de Lula e Dilma para disputar a prefeitura de São Paulo.