quarta-feira, 27 de maio de 2015

#FORADILMA, #FORAFORO, #FORALULA #FORAPT : Paulo Roberto Costa delata Dilma: 'ela acompanhou tudo'




Precisam do que mais?
A Dilma Rousseff assumiu o conselho de administração da Petrobras em 2003 e foi presidente até 2010. As coisas da petrobras que dependiam do conselho, se foram feitas de forma certa ou forma feitas de forma errada, ela acompanhou tudo'. Disse Paulo Roberto Costa.
Some-se a isso, a delação de Barusco e as demais testemunhas que falam claramente do envolvimento de Dilma e de Lula nos cambalachos da Petrobras.
Assista ao vídeo de Ficha Social (Detalhe: nesse vídeo é Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras que delata e Não Alberto Youssef. Youssef faz outras delações envolvendo Lula e Dilma)




Delação de Barusco e documentos provam que Dilma avalizou contrato fraudulento

Documentos e testemunha mostram que a presidente Dilma avalizou o contrato de montagem do Estaleiro Rio Grande, envolvido desde a sua origem em esquemas fraudulentos e por onde escoaram mais de R$ 100 milhões em propinas para os cofres do PT e aliados















A Operação Lava Jato já concluiu que, a partir de 2010, pelo Estaleiro Rio Grande, escoaram propinas de cerca de R$ 100 milhões para os cofres do PT e aliados.

A constatação foi extraída a partir de delações premiadas, dentre elas a do ex-gerente de Serviços da Petrobras, Pedro Barusco, e de Gerson Almada, vice-presidente da Engevix.
A partir das próximas semanas, o Ministério Público terá acesso a um outro capítulo sobre as falcatruas que envolvem o estaleiro e, pela primeira vez, um documento com a assinatura da presidente Dilma Rousseff será apresentado aos procuradores que investigam o Petrolão. Trata-se do contrato que deu início a implementação do Estaleiro Rio Grande, em 2006.
Dilma, na época ministra da Casa Civil, assina como testemunha. Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras e hoje na cadeia, assina como interveniente, uma espécie de avalista do negócio.
O documento será entregue aos procuradores por um ex-funcionário da Petrobras que resolveu colaborar com as investigações, desde que sua identidade seja preservada. Ele atua há 30 anos no setor de petróleo e durante 20 anos trabalhou na Petrobras. Além do contrato, essa nova testemunha vai revelar aos procuradores que desde a sua implementação o Estaleiro vem sendo usado para desviar recursos púbicos e favorecer empresas privadas a pedido do PT.
Na semana passada, a testemunha antecipou à ISTOÉ tudo o que pretende contar ao Ministério Público. Disse que o contrato para a implementação do Estaleiro é fruto de uma “licitação fraudulenta, direcionada a pedido da cúpula do PT para favorecer a WTorre Engenharia”. Afirmou que, depois de assinado o contrato, servidores da Petrobras “foram pressionados a aprovar uma sucessão de aditivos irregulares e a endossarem prestações de contas sem nenhuma comprovação ou visivelmente superfaturadas”. Um mecanismo que teria lesado a estatal em mais de R$ 500 milhões. (LEIA a matéria na íntegra em ISTOÉ)













fonte: http://folhacentrosul.com.br/post-politica/7455/paulo-roberto-costa-delata-dilma-ela-acompanhou-tudo

http://folhacentrosul.com.br/brasil/7452/delacao-de-barusco-e-documentos-provam-que-dilma-avalizou-contrato-fraudulento