terça-feira, 23 de junho de 2015

NÃO PRECISA DE PESQUISA O POVO NÃO QUER MAIS PT, NÃO QUER LULA, O POVO QUER #FORAPT #FORADILMA #FORAFORO #COMUNISMONÃO

NEM PRECISAVA PESQUISAR, MAS O DATAFOLHA FOI CONFERIR O RONCO DA RUAS: NINGUÉM QUER MAIS SABER DO PT. VEJAM OS NÚMEROS.

O instituto DataFolha, que pertence o grupo Folha de S. Paulo, estava hibernando depois que o PT foi para o fundo do poço. Aliás, não só o DataFolha, mas os demais institutos, com destaque para o Ibope. Eis que de repente o DataFolha resolveu avisar que está o vivo e foi a campo saber o que pensam os brasileiros a respeito do governo do PT.
Para começo de conversa, o DataFolha nem precisaria pesquisar coisa nenhuma pois a maioria dos brasileiros estão exaustos e, sobretudo, irados não apenas com o desgoverno do PT, mas também com o jornalismo chulé que vem sendo apresentado ao distinto público por jornalecos bundalelê como a Folha de S. Paulo, Estadão, Valor Econômico (cáspite!), Rede Globo e outras redes de TV menos votadas.
Fui ao site da Folha ver a matéria da pesquisa. É impublicável. Sim, porque está cheia de mechas. Conseguiram inclusive incluir, para variar, comparações com o finado Itamar Franco e com - como não poderia deixar de ser - FHC.
Para encurtar a conversa, os números evocam o ronco das ruas de todo o país e de todas as regiões. Na escapam nem os tradicionais redutos nordestinos alimentados pelos caraminguás oficiais. Ninguém suporta mais o PT. Esta é a verdade. E nem precisa pesquisa nenhuma para tal constatação. Como se diz, está na boca do povo. 
Me socorri da análise formulada pelo site da revista Veja, que narra com exatidão os números do DataFolha que os alegres pupilos do Octávio Frias Filho tentam edulcorar.
Portanto, transcrevo do site de Veja os dados reais dessa pesquisa. Leiam:
A presidente Dilma Rousseff quebrou o seu próprio recorde de reprovação e chega ao final do primeiro semestre de seu segundo mandato com a reprovação de 65% dos brasileiros, segundo pesquisa do instituto Datafolha. Essa é a proporção de eleitores que considera o governo da presidente como "ruim" ou "péssimo". A pesquisa foi divulgada pelo site do jornal Folha de S. Paulo.
Essa taxa de reprovação só não é mais alta do que os 68% atingidos pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello poucos dias antes do impeachment. Mas, quando se leva em conta a margem de erro de dois pontos para mais ou para menos, trata-se de um empate técnico.
A reprovação de Dilma chega a um patamar histórico no momento em que o Planalto enfrenta uma série de eventos negativos, como a continuação da Operação Lava Jato, que já prendeu o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, e o risco da rejeição das contas do governo pelo Tribunal de Contas da União.
Além disso, apenas 10% dos eleitores pensam que o governo da petista é "bom" ou "ótimo". Na véspera de ser afastado da Presidência, em 1992, Collor tinha 9% de aprovação, segundo o Datafolha.
A avaliação ruim da presidente se mantém em todos os diferentes níveis de renda. Entre aqueles que têm renda salarial de até dois salários mínimos, 62% a reprovam. Já entre os que recebem mais de 10 salários mínimos, essa taxa sobe para 66%. Essa mesma tendência foi percebida nos recortes por idade e escolaridade.
O levantamento do Datafolha foi feito com 2.840 pessoas em 174 municípios do país, nos dias 17 e 18 de junho - antes das prisões dos executivos da Odebrecht e da Andrade Gutierrez na décima quarta fase da Operação Lava Jato.

fonte: http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2015/06/nem-precisava-pesquisar-mas-o-datafolha.html