segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Por que o capitalismo de livre mercado é o único arranjo moral possível por Walter Williams


Várias pessoas acusam o livre mercado de “não ser moral” porque, segundo elas, tal sistema é um “jogo de soma zero” -- como se fosse um pôquer, no qual, para eu ganhar você necessariamente tem de perder.
Só que o livre mercado não é um jogo de soma zero, mas sim um jogo de soma positiva.
Você faz algo positivo para mim -- como, por exemplo, ofertar dois quilos de carne -- e eu, em troca, faço algo positivo para você, dando-lhe os $ 70.
A minha situação melhorou, pois, para mim, os dois quilos de carne valem que os $ 70 (se não valessem, eu não estaria incorrendo nessa troca). E a situação do dono da mercearia também melhorou, pois ele valoriza os R$ 70 mais do que os dois quilos de carne (se não valorizasse, não os estaria vendendo).
Nós dois ganhamos.
Ironicamente, é o governo -- e não o livre mercado -- quem cria jogos de soma zero na economia.
Se você utiliza o governo para ganhar subsídios, para ser protegido por tarifas de importação, para impedir o acesso de concorrentes ao seu mercado ou para simplesmente ganhar benefícios assistencialistas, você irá indubitavelmente se beneficiar, mas à custa de seus semelhantes.
O que é mais moral: requerer que as pessoas sirvam aos seus semelhantes para terem o direito de reivindicar os bens e serviços que eles criam, ou não servir aos seus semelhantes e ainda assim reivindicar os bens e serviços que eles criam?
Mas e as grandes empresas? Não teriam elas um poder excessivo sobre as nossas vidas?
Em um mercado protegido e regulado pelo governo, sim.
O governo -- por meio de regulamentações que impõe barreiras à entrada da concorrência no mercado (vide agências reguladoras), por meio de subsídios a empresas favoritas, por meio do protecionismo via obstrução de importações, por meio de altos tributos que impedem que novas empresas surjam e cresçam -- de fato garante que empresas se tornem grandes, permaneçam grandes e, com isso, tenham enormes e imerecidos poderes sobre nossas vidas.
Já em um livre mercado, isso não tem como ocorrer.
No livre mercado, somos nós, a população consumidora, quem decide o destino de toda e qualquer empresa com a qual lidamos. O capitalismo de livre mercado irá punir qualquer empresa que não satisfaça os consumidores ou que não saiba como utilizar recursos escassos de maneira eficaz.
Empreendimentos, pequenos ou grandes, que queiram prosperar são rigidamente regulados pelos consumidores, que voluntariamente votam com seu dinheiro para eleger quem devem prosperar e quem deve falir.
No livre mercado, são os consumidores, por meio de suas decisões de comprar ou de se abster de comprar, que decidem qual empresa deve seguir adiante e se tornar grande e qual empresa deve sumir.
E, novamente, apenas o governo pode desfazer esse arranjo.
Se uma empresa não é eficiente, não mais está satisfazendo os consumidores e, por isso, está próxima à bancarrota, o livre mercado está lhe enviando um recado claro: “Olha só, você já era. Venda seus ativos, seu maquinário e suas instalações industriais para outras pessoas que sejam capazes de fazer um trabalho melhor”.
No entanto, se o governo decide socorrer essa empresa -- seja por meio de ajudas diretas, seja fechando mais o mercado e lhe garantindo uma reserva de mercado --, o governo está, na prática, revogando o desejo explícito dos consumidores.
Um governo que socorre ou ajuda empresas falidas está, na prática, lhes dizendo que elas não mais têm de satisfazer consumidores e acionistas.
O recado do governo é claro: “Não importa quão ruim seja o seu produto ou o seu serviço, e não importa quão ineficiente você seja, nós vamos manter você em atividade e vamos para isso utilizar o dinheiro confiscado da população”.
Auxílios governamentais a empresas -- em qualquer formato -- nada mais são do que uma tentativa do governo de revogar um desejo claramente manifestado pelos consumidores.
Quando o governo socorre ou protege uma indústria, ele na realidade a está protegendo dos consumidores.
Ao agir assim, o governo retira poder do povo e o transfere para grandes empresários, grandes sindicatos e, obviamente, para os políticos cujas campanhas serão financiadas por esses grupos.
Se há um grupo que é realmente prejudicado pela interferência do governo na economia, esse grupo é fatia trabalhadora e produtiva da população.
Isso é moral?
Um sistema de livre mercado só pode funcionar se você e eu tivermos o poder de decidir qual empresa deve prosperar e qual empresa deve falir.
Em um livre mercado, são ambição e o esforço voluntário dos cidadãos -- e não do governo -- que conduzem a economia.
Em uma economia de mercado, a única maneira de um empreendedor auferir lucros é servindo bem seus clientes (e mantendo seus custos baixos). Um dos mais belos aspectos de uma economia de mercado é que ela é capaz de domar as pessoas mais egoístas, ambiciosas e talentosas da sociedade, fazendo com que seja do interesse financeiro delas se preocuparem dia e noite com novas maneiras de agradar terceiros. Empreendedores conduzem a economia de mercado, mas a concorrência entre empreendedores é o que os mantém honestos.
Em suma, no livre mercado, as pessoas utilizam o melhor de suas habilidades para servirem aos seus semelhantes e, com isso, moldarem seu próprio destino.
Isso sim me soa bem moral.
Por que o capitalismo de livre mercado é o único arranjo moral possível 

N. do E.: o artigo a seguir é um trecho de uma apresentação verbal (ligeiramente adaptada para a realidade brasileira).  Daí seu tom mais coloquial.


Não são poucas as pessoas que acreditam que o capitalismo de livre mercado é um arranjo egoísta, sem compaixão para com os pobres e até mesmo imoral.
Tais pessoas afirmam que ocapitalismo de livre mercado se resume a fomentar a ganância, a ânsia pelo poder e a lascívia pelo dinheiro.  E que tal arranjo é ótimo apenas para os ricos e péssimo para os pobres.
Mas isso está simplesmente errado.
O livre mercado não apenas é economicamente superior, como também é moralmente superior a toda e qualquer outra forma de se organizar o comportamento econômico dos indivíduos.
E, sucintamente, são dois os motivos:
1) O livre mercado requer ações e interações voluntárias entre os indivíduos.
2) No livre mercado, não há coerção e ninguém é obrigado a sustentar terceiros.  Não há subsídios, não há tarifas protecionistas, ninguém é impedido de empreender livremente, e não há barreiras governamentais à entrada de concorrentes em qualquer setor do mercado (como ocorre em setores regulados por agências reguladoras).
Em um livre mercado, se eu quero algo de você, então eu tenho de fazer algo por você.
Um exemplo rotineiro
Digamos que eu faça uma faxina em sua casa e que, em troca desse meu serviço, você me dê $ 70. 
O que esses $ 70 realmente significam?
Quando vou a uma mercearia e digo que "gostaria de dois quilos de carne", estou na verdade querendo quemilhares de pessoas me sirvam: pecuaristas, cultivadores de soja, caminhoneiros, açougueiros, empacotadores, funcionários do supermercado etc. 
E todas essas pessoas têm de ser pagas por seus respectivos serviços.
Sendo assim, o dono da mercearia pode me perguntar: "O que foi que você fez em benefício dos seus semelhantes para ter esse direito de querer que eles lhe forneçam um quilo de carne?
E eu respondo: "Bom, eu fiz uma faxina na casa de uma pessoa".
E o dono rebate: "Prove".
E aí então eu mostro para ele meus $ 70.
Pense no dinheiro que você recebeu por seu trabalho como sendo um "certificado de desempenho".  Ele é a prova de que você serviu a um semelhante.  Consequentemente, é ele quem lhe confere a licença moral para pedir que seus semelhantes lhe sirvam.
Todos ganham
Várias pessoas acusam o livre mercado de "não ser moral" porque, segundo elas, tal sistema é um "jogo de soma zero" — como se fosse um pôquer, no qual, para eu ganhar você necessariamente tem de perder.
Só que o livre mercado não é um jogo de soma zero, mas sim um jogo de soma positiva
Você faz algo positivo para mim — como, por exemplo, ofertar aqueles dois quilos de carne — e eu, em troca, faço algo positivo para você, dando-lhe os $ 70.
A minha situação melhorou, pois, para mim, os dois quilos de carne valem que os $ 70 (se não valessem, eu não estaria incorrendo nessa troca).  E a situação do dono da mercearia também melhorou, pois ele valoriza os R$ 70 mais do que os dois quilos de carne (se não valorizasse, não os estaria vendendo).
Nós dois ganhamos.
Quando não são todos que ganham
Ironicamente, é o governo — e não o livre mercado — quem cria jogos de soma zero na economia.
Se você utiliza o governo para ganhar subsídios, para ser protegido por tarifas de importação, para impedir o acesso de concorrentes ao seu mercado ou para simplesmente ganhar benefícios assistencialistas, você irá indubitavelmente se beneficiar, mas à custa de seus semelhantes.
O que é mais moral: requerer que as pessoas sirvam aos seus semelhantes para terem o direito de reivindicar os bens e serviços que eles criam, ou não servir aos seus semelhantes e ainda assim reivindicar os bens e serviços que eles criam?
E as grandes corporações?
Mas e as grandes empresas?  Não teriam elas um poder excessivo sobre as nossas vidas?
Em um mercado protegido e regulado pelo governo, sim. 
O governo — por meio de regulamentações que impõe barreiras à entrada da concorrência no mercado (vide agências reguladoras), por meio de subsídios a empresas favoritas, por meio do protecionismo via obstrução de importações, por meio de altos tributos que impedem que novas empresas surjam e cresçam — de fato garante que empresas se tornem grandes, permaneçam grandes e, com isso, tenham enormes e imerecidos poderes sobre nossas vidas.
Já em um livre mercado, isso não tem como ocorrer.
No livre mercado, somos nós, a população consumidora, quem decide o destino de toda e qualquer empresa com a qual lidamos.  O capitalismo de livre mercado irá punir qualquer empresa que não satisfaça os consumidores ou que não saiba como utilizar recursos escassos de maneira eficaz.
Empreendimentos, pequenos ou grandes, que queiram prosperar são rigidamente regulados pelos consumidores, que voluntariamente votam com seu dinheiro para eleger quem devem prosperar e quem deve falir. 
No livre mercado, são os consumidores, por meio de suas decisões de comprar ou de se abster de comprar, que decidem qual empresa deve seguir adiante e se tornar grande e qual empresa deve sumir.
E, novamente, apenas o governo pode desfazer esse arranjo. 
Se uma empresa não é eficiente, não mais está satisfazendo os consumidores e, por isso, está próxima à bancarrota, o livre mercado está lhe enviando um recado claro: "Olha só, você já era.  Venda seus ativos, seu maquinário e suas instalações industriais para outras pessoas que sejam capazes de fazer um trabalho melhor".
No entanto, se o governo decide socorrer essa empresa — seja por meio de ajudas diretas, seja fechando mais o mercado e lhe garantindo uma reserva de mercado —, o governo está, na prática, revogando o desejo explícito dos consumidores.
Um governo que socorre ou ajuda empresas falidas está, na prática, lhes dizendo que elas não mais têm de satisfazer consumidores e acionistas. 
O recado do governo é claro: "Não importa quão ruim seja o seu produto ou o seu serviço, e não importa quão ineficiente você seja, nós vamos manter você em atividade e vamos para isso utilizar o dinheiro confiscado da população".
Auxílios governamentais a empresas — em qualquer formato — nada mais são do que uma tentativa do governo de revogar um desejo claramente manifestado pelos consumidores. 
Quando o governo socorre ou protege uma indústria, ele na realidade a está protegendo dos consumidores.
Ao agir assim, o governo retira poder do povo e o transfere para grandes empresários, grandes sindicatos e, obviamente, para os políticos cujas campanhas serão financiadas por esses grupos.
Se há um grupo que é realmente prejudicado pela interferência do governo na economia, esse grupo é fatia trabalhadora e produtiva da população.
Isso é moral?
Conclusão
Um sistema de livre mercado só pode funcionar se você e eu tivermos o poder de decidir qual empresa deve prosperar e qual empresa deve falir.
Em um livre mercado, são ambição e o esforço voluntário dos cidadãos — e não do governo — que conduzem a economia.
[N . do E.: Em uma economia de mercado, a única maneira de um empreendedor auferir lucros é servindo bem seus clientes (e mantendo seus custos baixos). Um dos mais belos aspectos de uma economia de mercado é que ela é capaz de domar as pessoas mais egoístas, ambiciosas e talentosas da sociedade, fazendo com que seja do interesse financeiro delas se preocuparem dia e noite com novas maneiras de agradar terceiros. Empreendedores conduzem a economia de mercado, mas a concorrência entre empreendedores é o que os mantém honestos.]
Em suma, no livre mercado, as pessoas utilizam o melhor de suas habilidades para servirem aos seus semelhantes e, com isso, moldarem seu próprio destino.
Isso sim me soa bem moral.



Walter Williams é professor honorário de economia da George Mason University e autor de sete livros.  Suas colunas semanais são publicadas em mais de 140 jornais americanos.