sábado, 19 de julho de 2014

Lula, Dilma e os petralhas são de Marte ou de Morte? BY Alerta Total


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

A Presidenta Dilma Rousseff, seu Presidentro Luiz Inácio Lula da Silva, os militantes fanáticos do partido-seita e os petralhas que promovem o milagre da evolução patrimonial milionária parecem viver em um outro mundo, perfeito, rico e otimista, bem diferente do Brasil atual. O desespero psicológico com o risco concreto de perder a reeleição deve ser a causa do esquizofrenia deles.

Petistas e petralhas não merecem ser chamados de lunáticos, porque não moram na lua. Mas parecem marcianos, porque agora evocam o deus da guerra para vomitar inverdades políticas e econômicas. Lula, definitivamente, resolveu evocar a ofensiva, apesar do discurso psicologicamente defensivo: “A gente aprendeu que levava um tapa numa face e virava a outra. E nós não podemos mais virar a outra. Nós precisamos agora é começar a reagir e fazer as coisas que a gente tem que fazer”.

Ontem, durante comício na Praça da Sé, em São Paulo, Lula voltou a surtar. Pediu à plateia (militantes profissionais e fanáticos para lá levados de ônibus) para se lembrar de como era o Brasil em dezembro de 2002. Lula tem uma obsessão mórbida por lembrar do governo do velho amigo FHC. Por isso, solicitou aos seguidores que reproduzam sua pregação. Na visão do líder, a economia melhorou nos três mandatos do PT. Segundo Lula, tudo aumentou: salário mínimo, contas em banco, agências bancárias, crédito fácil aos consumidores, mais pessoas estudando nas universidades e muito mais emprego. Graças ao PT, viramos a Alice no País das Maravilhas...

Em Porto Alegre, a criatura Dilma repetiu seu criador. Aproveitou a posse na nova diretoria da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul para meter o pau nos indicadores da política econômica do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, entre 1995 e 2002. Na visão da economista Dilma, os indicadores atuais apresentam “muito mais robustez do que há 12 anos”. A presidente salientou que em 15 anos de regime de metas de inflação, adotado em 1999, o resultado “estourou” o teto apenas nos anos FHC...

No legítimo discurso dos perdedores, que reclama do passado porque não consegue mostrar que o futuro pode ser melhor, porque o presente está uma merda, Dilma faz a velha manipulação de dados empregada pelos camaradas soviéticos. Dilma alega que a dívida líquida do setor público chegou a 34% nos seus três anos e meio de mandato, contra 60,4% em 2002. Tem a cara de pau de comparar o Brasil com a Alemanha e a Coreia do Sul, para dizer que fizemos superávit primário em 2013 (só esqueceu de mencionar a manobra de contabilidade criativa para produzir tal milagre).

A economista Dilma só pode mesmo estar com alguns parafusos a menos. Só louco consegue celebrar uma inflação altíssima de 6,08%, com tendência de subida e descontrole. Dilma ainda fez pior. Alegou que a inflação média de seu governo, com este número assustador, foi a metade da inflação do FHC, que chegou a 12,4%. Mais lamentável ainda é quando Dilma tenta um malabarismo marketeiro para tentar justificar seu pibinho de anão:

“O Brasil tem sido afetado por cenários de grande incerteza, que tem causado taxas menores de crescimento que em períodos anteriores. Mas mesmo assim, todas positivas. A pior opção para crise ou a maior dificuldade em qualquer ramo de atividade é o pessimismo, criado por dois motivos interligados e extremamente perigosos. O primeiro deles é a influência das expectativas negativas num mundo globalizado, que bloqueiam soluções. A segunda é a tentação de forçar as profecias mais negativas possíveis em regime pré-eleitoral”.

O marketeiro que escreveu tal discurso para ela se superou... E Dilma seguiu na velha toada de jogar a culpa nos outros para justificar as cagadas feitas por ela: “Nossos adversários previram a tempestade perfeita, prevista para atacar nesse início de ano e que geraria uma crise cambial de proporções avassaladoras. Também previram uma crise energética, mas não tivemos racionamento de energia nem antes, durante ou depois da Copa. Houve uma fantástica ocorrência de avaliações absurdas negativas. E tivemos lideranças que queriam, em abril, devolver a Fifa. Ou seja, criaram problemas significativos para as expectativas econômicas”.

Dilma sabe, em seu inconsciente, que será derrotada porque a gestão petista avacalhou com a estabilidade econômica. A avaliação negativa dela nas pesquisas é impactada pela sensação de que algo vai mal na economia, e pode piorar brevemente. As contas do mês das pessoas que trabalham fecham no vermelho. A carestia é geral. A inflação não é pior por conta da maquiagem das tarifas públicas – que o governo segura agora, para soltar depois da eleição.


Dilma sabe que o endividamento das famílias é grande e tende a aumentar. Juros altos e 56 impostos sobre a atividade produtiva, junto com a dificuldade de crédito, aumentam os riscos e inviabilizam investimentos. Quem tem dinheiro não põe no fogo das incertezas. E quem não tem sequer sabe de onde tirar para sobreviver. Só o governo consegue gastar cada vez mais, endividando-se, sabe-se lá até quando...

Palavra de especialista?

Só Lula consegue superar Dilma no quesito esquizofrenia.

Ontem, o líder máximo resolveu lançar um desafio à oposição:

“Temos que debater a corrupção neste país. Eu desafio que eles (tucanos) entrem nessa discussão. No nosso tempo só tinha uma forma do cidadão não ser denunciado: se fosse honesto. No tempo deles, havia um tapete grande para onde se jogava a sujeira para debaixo dele. Eles dizem que o PT é corrupto e às vezes andamos de cabeça baixa por isso, mas nós não construímos o PT para andar de cabeça baixa. Esse é um tema que estou disposto a discutir nesta campanha”.

Lula, Dilma, os petistas e os petralhas são de Marte ou de Morte? Talvez o fantasma de Celso Daniel tenha competência para responder...

Será que Lula topa um debate com ele?



O governo do PT expropriou do empresário Boris Gorentzvaig, fundador da Petroquímica Triunfo, uma gigantesca planta industrial localizada no interior gaúcho que produz matéria-prima para a produção de plásticos.

A Petrobrás é acusada por Boris de entregar a Triunfo para a Braskem-Odebrecht - que já era dona do polo petroquímico da Bahia e da refinaria paulista de Paulínia, e assim monopolizou o setor petroquímico do país. 

Tudo isso aconteceu na época em que Dilma Rousseff era a Presidente do Conselho de Administração da Petrobras.

Será que Lula topa um debate sobre corrupção com Boris Gorentzvaig?

Políticas Europeias e Comunismo



“Políticas Europeias e Comunismo" é o tema do programa Direito e Justiça em Foco neste domingo, às 22 horas, na Rede Gospel.

O desembargador Laercio Laurelli recebe o Advogado, Mestre em Engenharia Metalúrgica e Doutor em Tecnologia Nuclear, Rodolfo Politano.

E quem quiser rever nossa participação neste programa, reveja o vídeo abaixo:



Lavando o Jato



Bomba nos Textículos