quarta-feira, 14 de outubro de 2015

A hora de rejeitar a complacência republicana diante de um STF golpista POR LUCIANO HENRIQUE




Reinaldo Azevedo escreveu:
É preciso que se entenda o exato alcance e a natureza das liminares concedidas nesta terça por Teori Zavascki e Rosa Weber. À diferença do que se andou dizendo por aí — e a incompreensão sobre decisões judiciais é uma das maiores falhas da imprensa —, os ministros não cassaram de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, o poder de acatar denúncias contra a presidente Dilma. A liminar disse respeito pura e simplesmente ao que aconteceria caso ele recusasse. Ou por outra: Zavascki e Rosa Weber apenas cassaram da oposição o direito de recorrer. E, ora vejam, em certa medida, deram ainda mais poder ao presidente da Câmara.
Tudo muito bem, tudo muito bonito. Mas há um problema gravíssimo nesta análise. Ela é complacente demais, sem nenhuma justificativa para tal.
Na mesma toada, um amigo comentou: “E é justamente por ter dito qual seria o rito em caso de recusa que os Ministros do STF prejudicaram a porra toda. Não havia uma história de que caso Cunha rejeitasse e a oposição entrasse com o recurso, o quórum para o impeachment seria de maioria simples ao invés de maioria absoluta?”
Minha resposta: “Eles prejudicaram por que são golpistas. Se eu tenho o direito a recorrer de uma decisão, mesmo que eu explique que vá recorrer, nenhum golpista pode inventar leis para me impedir”.
Parece mesmo que vamos passar por cima do golpe dado pelo Puxadinho do PT, mas isto não justifica deixarmos de denunciar o golpe.
Eis como boa parte da direita tem agido na questão dos golpes que o Puxadinho do PT deu no povo.
Sua casa foi invadida por um bandido que cortou um de seus braços. Perguntado pela polícia se você ia dar queixa, diz: “Não, pois eu ainda tenho outro braço, e vou viver apenas com mesmo. Melhor assim, pois tenho menos unhas para cortar [risos]”.
É preciso de novo utilizar a hierarquia de valores, o que, absurdamente, a direita não está sabendo utilizar e, por isso, tem se tornado patrocinadora de atrocidades de seu oponente.
É evidente que é possível sobreviver ao golpe do STF, assim como dar sequência ao justo pedido de impeachment. Mas essa é uma discussão tática. A outra discussão, moral, não pode ser esquecida: a de que o Puxadinho do PT deu um golpe e não pode ser perdoado por isso.
Do jeito que a coisa anda, a oposição brasileira está agindo de maneira mais frouxa que a da Venezuela. E por muito menos, Leopoldo Lopez denunciou Chavez à Corte Interamericana de Direitos Humanos, dois anos antes de ser preso e ter sofrido golpes jurídicos promovidos pela ditadura bolivariana, que tentou impedi-lo de concorrer nas eleições.
Alguém pode dizer “ah, eu vivo sem um braço”. Sim, mas você tem que denunciar quem o amputou. Da mesma forma, dizer “ah, vamos seguir assim mesmo” não muda o fato de termos que fazer o Puxadinho do PT pagar seu preço pela afronta.
A hora do “tudo bem, eu vivo com isso” não é agora.
fonte: http://lucianoayan.com/2015/10/14/a-hora-de-rejeitar-a-complacencia-republicana-diante-de-um-stf-golpista/