quarta-feira, 14 de outubro de 2015

FERNANDO PIMENTEL, O GOVERNADOR BOLIVARIANO DE MINAS GERAIS, PODE SOFRER IMPEACHMENT POR DESOBEDECER LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL.


Fernando Pimentel em dois flagrantes que dizem muito: Acima, com o tiranete da Venezuela, Nicolás Maduro, tendo como cicerone o famigerado aspone da Dilma, o Top, Top Garcia. No meio, aparece em animada reunião com Maduro e seu ministro para as comunas, Elias Jaua, que recentemente esteve no Brasil promovendo agitação comunista. Nesses dias em que chovem denúncias, Pimentel está na Itália visitando uma feira em Milão.
Um pedido de impeachment também ameaça o governador de Minas Gerais,Fernando Pimentel (PT). O bloco de posição na Assembleia Legislativa iniciou as articulações para um pedido de impedimento nesta terça-feira (13), com o apoio de 15 dos 22 deputados do bloco que reúne PSDB, PDT, PTB, PP e DEM.
Os processos no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e no TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais) contra o petista serão a base do pedido de impeachment. Estão sendo são investigados gastos irregulares na campanha eleitoral de Pimentel em 2014 e atos cometidos durante a gestão do petista, como o não cumprimento da lei de responsabilidade fiscal.
"Nos próximos dias vamos anunciar os nomes dos juristas que vão embasar o pedido de impeachment. Inicialmente, o pedido será encaminhado ao presidente da Assembleia (deputado Adalclever Lopes, do PMDB). Caso ele rejeite o pedido, vamos apelar ao plenário para iniciar o processo de impeachment do governador Pimentel", afirmou o deputado estadual Gustavo Valadares (PSDB), líder da oposição. "O rito é idêntico ao que acontece com a tramitação do processo de impeachment que será enfrentado pela presidente (Dilma Rousseff)."
São necessários 51 votos dos deputados estaduais para a abertura de processo de impeachment do governador - dois terços dos 77 deputados estaduais mineiros.
"Ainda não temos número suficiente. Mas é só o processo começar, embasarmos juridicamente o processo, que haverá adesões. Isso ocorreu no processo de impeachment do ex-presidente Collor (Fernando Collor de Mello) e está ocorrendo com a presidente Dilma", disse Valadares.
"Em 31 de agosto, o Estado atingiu o limite de gastos com funcionários públicos, de 49,%. Após isso, em setembro, o governador nomeou mais de 400 funcionário em cargos de confiança, de recrutamento amplo, descumprindo a lei de responsabilidade fiscal", disse Valadares.
O UOL tentou entrar em contato com a assessoria do deputado estadual Durval Ângelo (PT), líder do governo na Assembleia. Assessores informaram que o parlamentar não comentaria a iniciativa da oposição.
A assessoria do governador Pimentel também informou que o governador não se manifestaria - ele  está na Itália participando da Expo Milão 2015. Do site UOL

FONTE: http://www.aluizioamorim.blogspot.com.br/2015/10/fernando-pimentel-o-governador.html