sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Cinco casos em que decretos de sigilo não incomodaram os esquerdistas



Os progressistas da internet (em especial aquele conhecido tipinho que se apresenta falando “não sou petista, mas…”) estão há dias mostrando toda a sua revolta e indignação com os decretos de sigilo impostos pelo governo de São Paulo. Coincidentemente, o tema foi alçado a principal assunto da petistosfera depois que Cunha deixou de ser inimigo público número 1 e passou a ser aliado que negocia pessoalmente com Lula…
Pois eis que hoje chega a notícia que Fernando Haddad, nada menos que o queridinho-mor da esquerda nacional, decretou sigilo sobre os dados da câmeras da Guarda Civil de São Paulo. E até o momento ouve-se um silêncio ensurdecedor vindo de quem, até ontem, tratava decretos de sigilo como o mais grave dos crimes.
Mas não pensem que é só o sigilo do Haddad que não desperta a fúria daquele amigo esquerdista. Vejam abaixo cinco casos em que decretos de sigilo não pareceram incomodar os progressistas nacionais (o fato de serem todos obra de governos petistas, claro, não passa de coincidência…):
Sem dúvida aquele amigo esquerdista, tão indignado com o governo de SP, está convencido que isso é matéria de segurança nacional e aprova a decisão de Dilma…
Que mal pode haver em decretar sigilo sobre contratos envolvendo uma empresa investigada por envolvimento no maior escândalo de corrupção da história?! Sem dúvida Dilma agiu no estrito interesse da nação.
Evidente que não há nada de suspeito em tratar como matéria de segurança nacional os gastos de uma pessoa cuja proximidade com o poder se deu por caminhos – como direi? – curiosos… Evidente que o assunto não mereceu uma linha de indignação daquele amigo esquerdista.
O então Ministro do Desenvolvimento, hoje governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, achou que era o caso de manter escondidos os dados referentes ao dinheiro repassado pelo Brasil a Cuba e Angola. Evidente que não há nada de suspeito nisso e os esquerdistas não se sentiram indignados.
Imaginem que o Alckmin decretasse sigilo sobre dados de câmeras colocadas em vias públicas… A essa altura, a petistosfera estaria cheia de textos acusando o governador de SP de querer esconder massacres, genocídios e quiçá campos de extermínio, não é mesmo?! Mas foi o Haddad, o prefeitão! Lógico que não se pode gastar indignação com isso. Pelo contrário: em breve teremos textões explicando o quão inovadora e progressista é essa medida do prefeito de São Paulo (quem sabe até mostrando que ele se inspirou na Holanda, ou na Bélgica…).
fonte: http://reaconaria.org/colunas/yashagallazzi/cinco-casos-em-que-decretos-de-sigilo-nao-incomodaram-os-esquerdistas/